Mercado fechará em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    113.882,23
    +1.599,95 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.488,08
    +149,74 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,27
    +1,04 (+1,44%)
     
  • OURO

    1.750,30
    -28,50 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    44.733,62
    +1.377,04 (+3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.122,31
    +13,39 (+1,21%)
     
  • S&P500

    4.457,85
    +62,21 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.823,59
    +565,27 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +155,50 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2288
    +0,0200 (+0,32%)
     

Procon-SP notifica Shopee sobre venda de produtos piratas

·1 minuto de leitura
Logo da Shopee em placa
Empresa também terá que informar como trata e armazena dados, quais critérios para políticas de cupons e fretes e comprovar que os canais de atendimento ao consumidor funcionam
(REUTERS/Thomas White)
  • Procon-SP quer saber como Shopee garante a origem, qualidade e segurança dos produtos vendidos

  • Empresa tem até sexta-feira para responder 

  • Em agosto, Mercado Livre também foi notificado pelo Procon

O Procon-SP notificou, nesta segunda-feira, 13, a Shopee para exigir que a empresa demonstre como garante a qualidade, segurança e autenticidade dos produtos vendidos em sua plataforma.

Até sexta-feira, a Shopee deverá enviar a documentação que ateste regularidade comercial, fiscal e tributária das lojas cadastradas e mostrar como verifica a regularidade delas.

Leia também: 

A empresa também terá que informar quais são os dados necessários para realização de cadastro e como trata e armazena essas informações. O Procon-SP ainda solicitou os critérios de políticas de cupons e fretes e a comprovação de que os canais de atendimento ao consumidor da plataforma funcionam. As informações são do G1.

"A plataforma deverá explicar sobre eventuais produtos contrabandeados ou falsificados que foram vendidos aos consumidores. A partir dessa notificação eles ficam cientes de que é possível que eles sejam responsabilizados como participantes da venda desse tipo de produto", avisa o diretor do Procon-SP, Fernando Capez.

Mercado Livre também foi notificado

Em agosto, o Procon pediu essas informações ao Mercado Livre, que participou de reunião com a Polícia Civil de São Paulo sobre a venda de produtos ilícitos por parte de terceiros em sua plataforma.

Na ocasião, foram questionadas as medidas que a empresa estaria tomando para coibir a prática. O Mercado Livre se comprometeu a colaborar e fornecer as informações sobre transações irregulares realizadas no site.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos