Mercado abrirá em 9 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,93
    +0,95 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.759,10
    +7,40 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    44.046,55
    +1.849,51 (+4,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.097,75
    -5,31 (-0,48%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.300,48
    +108,32 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    30.292,12
    +43,31 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.370,25
    +51,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2569
    +0,0013 (+0,02%)
     

Procon-SP notifica Shopee para explicar se vende produtos piratas

·2 minuto de leitura

O Procon-SP notificou nesta segunda-feira (13) a Shopee para que a empresa explique a autenticidade e origem dos produtos vendidos em sua plataforma de comércio marketplace (com lojistas terceiros). Segundo a Coluna do Broadcast do Estadão, o motivo seriam os preços muito abaixo do mercado, que causaram a desconfiança de que sejam contrabandeados ou pirateados.

Como exemplo, o jornal mostrou a captura de tela de um anúncio de tênis da Nike a partir de R$ 35. Também encontrou um modelo de R$ 45 que no site da lojista Centauro custa R$ 380. Na visão do Procon, esses preços não se sustentam se levar em conta a carga tributária brasileira para produtos originais. A Shopee deverá responder até o dia 17 de setembro.

"A empresa deverá comprovar a obtenção, validade e regularidade da aquisição dos itens e demonstrar o processo utilizado para garantir a qualidade e segurança dos produtos entregues, como condições de uso, inviolabilidade de embalagens, prazos de validade compatíveis etc", diz o Procon em nota.

Par de tênis com preço muito abaixo do mercado no Shopee (Imagem: Reprodução/Shopee)
Par de tênis com preço muito abaixo do mercado no Shopee (Imagem: Reprodução/Shopee)

"A plataforma deverá explicar sobre eventuais produtos contrabandeados ou falsificados que foram vendidos aos consumidores. A partir dessa notificação eles ficam cientes de que é possível que eles sejam responsabilizados como participantes da venda desse tipo de produto", diz o diretor do Procon-SP, Fernando Capez.

Outros pedidos da entidade à Shopee incluem explicações sobre temas como sua política de cupons e de frete, o funcionamento dos canais de atendimento aos consumidores, as formas de acesso ao conteúdo do site e do aplicativo e o tratamento e armazenamento dos dados pessoais dos clientes.

Em nota ao Estadão, a Shopee disse que proíbe a venda de produtos ilegais ou piratas na plataforma. Também afirmou que informa a todos os vendedores sobre sua "política rígida de mercadorias ilícitas e restritas" e que por isso os lojistas são “exclusivamente responsáveis pelos produtos e seus respectivos anúncios”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos