Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.463,38
    -2.301,35 (-4,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Procon-SP notifica iFood, Rappi e Uber Eats sobre práticas de higiene

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP) notificou, nesta quinta-feira (28), os aplicativos iFood, Rappi e Uber Eats. O objetivo do órgão é conferir se as plataformas estão garantindo que seus entregadores estejam adotando medidas adequadas de higiene durante a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), visando reduzir ao máximo a possibilidade de transmissão do patógeno.

De acordo com o Procon-SP, os consumidores “têm denunciado condutas irregulares por parte dos entregadores, como não usar a máscara ou usá-la incorretamente e não higienizar os equipamentos de uso manual (máquinas de pagamento)”, o que teria gerado a notificação. As plataformas em questão também terão que informar o número total de entregadores parceiros que trabalham em todas as modalidades (bike, moto etc.).

“As empresas de aplicativos de entrega deverão comprovar que oferecem orientação e treinamento aos seus entregadores e que fornecem materiais de segurança e higienização para os equipamentos de uso manual (como máscaras, álcool, entre outros). Deverão também informar quais canais de atendimento são oferecidos para esse tipo de denúncia e quais as providências adotadas ao recebê-las”, explica a fundação.

O Procon-SP também requisitou informações a respeito da tabela de preços dos serviços, formas de pagamento e quando a transação é efetivada — se no momento do pedido ou no ato da entrega. Tais questionamentos têm a ver com o aumento no número de ocorrências do “golpe do entregador”, no qual o responsável por levar o produto finge não ter encontrado com o cliente para ficar com o lanche e com a taxa de envio.

As empresas têm até o dia 2 de fevereiro para responder às perguntas do órgão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: