Mercado fechará em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    121.580,07
    -221,14 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.215,87
    +20,44 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,96
    +0,81 (+1,19%)
     
  • OURO

    1.806,60
    -7,90 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    40.539,88
    +949,50 (+2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,81
    +23,91 (+2,45%)
     
  • S&P500

    4.420,69
    +18,03 (+0,41%)
     
  • DOW JONES

    34.983,22
    +190,55 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.156,75
    +83,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1730
    +0,0547 (+0,89%)
     

Procon-SP lança cartilha para o combate à LGBTfobia nas relações de consumo

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Procon-SP lança nesta segunda-feira (28), data em que se comemora o Dia do Orgulho LGBTQIA+, uma cartilha sobre os direitos dos consumidores desse segmento. O material reúne informações sobre as leis que garantem seus direitos e canais para denúncias —como o próprio Procon, a Defensoria Pública, o Ministério Público e poder Judiciário.

Desenvolvida pela Escola de Proteção e Defesa do Consumidor do Procon-SP, a cartilha destaca que a discriminação é considerada crime no Brasil. "A vida em sociedade exige respeito às diferenças. Se queremos ser respeitados em nossas singularidades, não podemos nos calar diante de situações de discriminação e violência", diz o material.

Em São Paulo, uma lei estadual prevê punições administrativas para pessoas, estabelecimentos comerciais ou organizações sociais que praticarem discriminação por orientação sexual. ​

Em 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) enquadrou a homofobia e a transfobia na lei dos crimes de racismo até que o Congresso Nacional aprove uma legislação sobre o tema.

O então presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, e o ministro Ricardo Lewandowski entenderam que apenas deveria ser declarado que o Congresso foi omisso ao não votar uma lei nesse sentido. Na visão deles, cabe ao Legislativo tratar da criminalização de uma determinada conduta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos