Mercado fechará em 12 mins
  • BOVESPA

    107.550,71
    +691,84 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.752,01
    +146,45 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,11
    +2,62 (+3,77%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    51.037,29
    +1.907,88 (+3,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.313,56
    -7,72 (-0,58%)
     
  • S&P500

    4.689,53
    +97,86 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    35.751,80
    +524,77 (+1,49%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.322,50
    +479,75 (+3,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3319
    -0,0917 (-1,43%)
     

Procon pede explicações da Zara após caso 'Zara zerou' com clientes negros

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Procon-SP decidiu notificar a Zara do Brasil para pedir explicações sobre o caso "Zara zerou", noticiado na semana passada. De acordo com a Polícia Civil do Ceará, o auto-falante da loja Zara do shopping Iguatemi de Fortaleza anunciava a frase como um código para alertar os funcionários quando chegava algum cliente tido como suspeito, o que incluía pessoas negras, segundo a Polícia, que aponta racismo. A Zara nega.

O Procon vai solicitar informações sobre a política de treinamento que a Zara aplica aos funcionários e sobre as medidas de conscientização, prevenção, programas de diversidade, inclusão e combate a racismo e discriminação de gênero.

Também serão pedidas informações sobre segurança e vigilância que a Zara pratica na rede de lojas.

​Segundo o Procon-SP, que deu prazo até quarta-feira (27) para a resposta, a varejista também deverá informar quais providências tomou em relação aos trabalhadores envolvidos no caso, além da assistência oferecida à cliente.

A polícia chegou ao sistema ao investigar o caso da delegada Ana Paula Barroso, que foi expulsa da loja da Zara na noite de 14 de setembro.

Procurada pela reportagem., a Zara afirma que não tolera qualquer tipo de discriminação e que tem a diversidade e o respeito como valores de sua cultura corporativa.

"A Zara Brasil nega a existência de um suposto 'código interno' para discriminar clientes. A Zara rechaça qualquer forma de racismo, que deve ser tratado com a máxima seriedade em todos os âmbitos", diz a empresa em nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos