Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.103,09
    -1.589,80 (-4,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Procon diz que Uber Eats deve se responsabilizar por golpes praticados por entregadores

·2 minuto de leitura
Procon diz que Uber Eats deve se responsabilizar por golpes praticados por entregadores
Procon diz que Uber Eats deve se responsabilizar por golpes praticados por entregadores

O Procon de São Paulo — após multar a Apple pela ausência de carregadores e intimar a LG pelo fim das operações mobile — está em cima do Uber Eats para a plataforma explicar possíveis golpes praticados por pessoas que usam o serviço. O órgão de defesa do consumidor chamou a companhia para explicar sobre as taxas adicionais que alguns entregadores praticam de forma ilegal.

Não bastasse o usuário ter um gasto adicional na entrega do pedido, por muitas vezes os golpistas que utilizam o Uber Eats conseguem cobrar valores acima dos que são apresentados na máquina de cartão que utilizam — provavelmente modificada, pelo menos nas informações mostradas na tela. A plataforma explicita que há comunicações no app informando que, compras com pagamento online, não possuem taxas adicionais a serem quitadas na entrega. O Procon de São Paulo, porém, diz que esta informação não é demonstrada de forma ostensiva.

Uber tenta se esquivar da responsabilidade do “golpe do entregador”

Por isso, o órgão de defesa do consumidor diz ser responsabilidade do Uber Eats arcar com os custos das fraudes praticadas através do serviço. A autarquia diz ser “atitude descabida” o aplicativo se esquivar da responsabilidade deste problema alegando ser “mera facilitadora de relação entre consumidores, restaurantes e entregadores”. O Uber Eats alega, ainda, que encerra a conta dos parceiros que fraudam os termos de uso do serviço.

Apesar do ofício do Procon de São Paulo revelar a prática da fraude no Uber Eats, o chamado “golpe do entregador” não é uma novidade e muito menos restrita a um único app. Outros serviços concorrentes já foram utilizados para a mesma finalidade, e a melhor forma — atualmente — disto ser evitado, é com o consumidor negando qualquer cobrança adicional fora do app. A autarquia ainda não detalhou como pretende fazer o Uber arcar com os prejuízos dos consumidores lesados.

Imagem: Vladispas/iStock

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos