Mercado abrirá em 9 h 4 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,29
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.752,10
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    44.339,12
    +310,95 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.107,66
    -1,26 (-0,11%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.492,32
    -18,66 (-0,08%)
     
  • NIKKEI

    30.232,20
    +592,80 (+2,00%)
     
  • NASDAQ

    15.296,75
    -6,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2258
    +0,0008 (+0,01%)
     

Processo de Jeff Bezos deve atrasar (mais) o retorno da humanidade à Lua

·2 minuto de leitura

Na semana passada, a Blue Origin, empresa fundada por Jeff Bezos, processou a NASA devido ao contrato para o desenvolvimento do novo lander lunar para o programa Artemis. Contudo, Bill Nelson, administrador da NASA, afirma que esse novo desdobramento deverá, sim, resultar em ainda “mais atrasos” para cumprir o objetivo de levar astronautas novamente para a superfície lunar, que estava estimado para 2024.

Em sua fala, Nelson explicou que os advogados do Departamento de Justiça são responsáveis pelo caso, e não a NASA. “Mas o meu entendimento dos nossos advogados, que estão em contato com os do Departamento de Justiça, é que eles devem ter uma ideia do cronograma avançando nas próximas duas semanas”, disse ele, em entrevista.

A Blue Origin vem contestando a escolha do lander lunar da SpaceX, baseado no Starship (Imagem: Reprodução/SpaceX)
A Blue Origin vem contestando a escolha do lander lunar da SpaceX, baseado no Starship (Imagem: Reprodução/SpaceX)

A Blue Origin processou a NASA após a agência espacial anunciar a SpaceX como a única vencedora do contrato para o desenvolvimento do novo lander lunar, sendo que a disputa contava também com a empresa Dynetics. A empresa de Bezos não gostou do resultado e, desde então, vem lutando para mudar a decisão da NASA — e o capítulo mais recente do conflito surgiu com o processo da Blue Origin contra a agência espacial.

Como resultado, o contrato para o desenvolvimento do lander lunar foi pausado pela segunda vez — a primeira aconteceu quando a Blue Origin e a Dynetics apresentaram protestos contra a escolha, que acabaram rejeitados por parte do órgão responsável —, e deverá ficar suspenso até o dia 1º de novembro. Nelson ressaltou que, agora, a questão não está mais nas mãos da NASA, “mas sim no sistema legal e no Departamento de Justiça”.

Para completar, a agência espacial enfrenta outros desafios em paralelo: um relatório recente mostrou que, mesmo que o lander lunar fique pronto em 2024, os novos trajes espaciais usados pelos astronautas para caminhar na superfície da Lua também estão atrasados e deverão ser finalizados no mínimo em abril do ano seguinte, dificultando o cumprimento do cronograma.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos