Mercado abrirá em 8 h 2 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,44
    -0,52 (-0,63%)
     
  • OURO

    1.774,60
    +4,10 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    63.895,14
    +1.163,41 (+1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,45
    +16,09 (+1,10%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.142,80
    +355,59 (+1,38%)
     
  • NIKKEI

    29.298,90
    +83,38 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    15.384,00
    -14,50 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5140
    +0,0178 (+0,27%)
     

Processo físico que repara as fissuras no gelo da Antártica começa a falhar

·2 minuto de leitura

Com o agravamento das mudanças climáticas, o gelo localizado nos polos da Terra está perdendo seu volume e cada vez mais em um ritmo acelerado. Um grupo de pesquisadores analisou o que tem provocado a quebra das plataformas de gelo da Antártida para além do aquecimento global, descobrindo que uma espécie de "cola", responsável por manter o gelo quebrado ainda unido, é tão vulnerável à crise climática quanto os grandes blocos congelados.

O maior problema com a fragmentação dos blocos de gelo é que, ao se partirem de vez, uma vez no mar, o iceberg se torna mais vulnerável ao derretimento. Antes disso, quando o gelo começa a se tornar fino, a cola gelada (formada pela água já derretida) conhecida como mélange, preenche as fissuras que eventualmente vão surgindo com o desgaste. Com isso, o gelo quebrado é fundido, mas essa cola também está ameaçada pelo aumento da temperatura global.

A plataforma de gelo Larsen, na Antártida, foi usada para modelar os possíveis cenários com a perda da cola gealda (Imagem: Reprodução/Eric Rignot et al./PNAS)
A plataforma de gelo Larsen, na Antártida, foi usada para modelar os possíveis cenários com a perda da cola gealda (Imagem: Reprodução/Eric Rignot et al./PNAS)

Na pesquisa, os cientistas conduziram três simulações com cenários distintos. Primeiro com a plataforma de gelo diminuindo, depois com o mélange e, então, com ambos. Quando a cola permanecia inteira, o gelo foi reparado, mas, quando ela começou a enfraquecer, as fraturas aumentaram rapidamente. “É outra maneira pela qual a mudança climática pode causar um rápido recuo das plataformas de gelo da Antártica”, explica o glaciologista Irvine Eric Rignot, co-autor do estudo.

Com esta nova informação, Rignot ressalta a necessidade de que as atuais projeções climáticas, assim como o padrão de derretimento do gelo nos polos, sejam revalidadas. “O momento e a extensão do aumento do nível do mar devido à perda de gelo polar - ou seja, pode ocorrer mais cedo e com um estrondo maior do que o esperado”, acrescenta o glaciologista. Uma vez que a cola gelada derrete, ela não desempenha mais seu papel reparador.

Os pesquisadores concluíram que a perda do mélange já é suficiente para explicar a causa de muitas fraturas nas plataformas de gelo ocorridas nas últimas décadas; afinal, o aquecimento global é um problema de longa data. Infelizmente, a temperatura global não para de subir e, com isso, não apenas a Antártida, como também o Ártico, perderão ainda mais seu mecanismo natural de reparação, acentuando o derretimento em curso.

A pesquisa foi integralmente publicada no período científico PNAS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos