Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.379,99
    +1.175,96 (+2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Processador ARM feito de plástico torna possível a "Internet de Todas as Coisas"

·3 minuto de leitura

Pesquisadores da empresa de semicondutores ARM desenvolveram um microchip flexível de 32-bits que pode ser usado na criação de rótulos ou sensores inteligentes em embalagens de alimentos comuns, como uma simples caixa de leite ou uma lata com produtos em conserva.

O microprocessador é composto por transistores de película fina instalados em um substrato de plástico flexível de alto desempenho usado para substituir o silício rígido convencional. Esse processo de fabricação torna o circuito interno dobrável, facilitando sua aplicação em superfícies moles e maleáveis.

Ao contrário dos dispositivos semicondutores convencionais, os chips eletrônicos flexíveis são construídos em bases de papel, plástico ou folha de metal. Eles oferecem uma série de vantagens sobre o silício cristalino, incluindo espessura, conformabilidade e baixos custos de fabricação.

Chip ARM criado com substrato de plástico (Imagem: Reprodução/ARM)
Chip ARM criado com substrato de plástico (Imagem: Reprodução/ARM)

“São apenas 40.000 transistores implementados em cerca de 60 milímetros quadrados. Só para comparar, o processador do iPhone original em 2007 é 14.000 vezes mais rápido. Portanto, este não é um microprocessador de alto desempenho, mas é voltado para aplicações que realmente não precisam desse nível de processamento”, explica o engenheiro John Biggs, autor principal do projeto.

Internet de Todas as Coisas

Os microchips já estão presentes em boa parte dos equipamentos usados no dia a dia, como computadores, smartphones, carros e máquinas de lavar. Esses dispositivos conectados formam a chamada Internet das Coisas (IoT, da sigla em inglês). A ideia dos pesquisadores é ampliar esse termo para Internet de Tudo ou Internet de Todas as Coisas.

Segundo eles, rótulos inteligentes equipados com o novo microchip poderiam alterar a data de validade de produtos alimentícios conforme condições de armazenamento ou dependendo de como foram manuseados desde a linha de produção até o ponto de venda para o consumidor.

Rótulos inteligentes poderiam mostrar informações como data de validade em tempo real (Imagem: Ha4ipuri/Envato)
Rótulos inteligentes poderiam mostrar informações como data de validade em tempo real (Imagem: Ha4ipuri/Envato)

“Estamos falando sobre colocar rótulos eletrônicos nas coisas que você compra toda semana no supermercado e que ajudariam no gerenciamento da cadeia de suprimentos, fornecendo informações em tempo real. As etiquetas inteligentes oferecem um nível de computação que não está disponível atualmente porque não é economicamente viável”, acrescenta a vice-presidente de tecnologia da PragmatIC Semiconductor, Catherine Ramsdale, coautora do estudo.

Obstáculos

Apesar de o microprocessador ter sido construído sobre um substrato de plástico flexível, ele ainda não foi testado em uma superfície dobrável, o que pode comprometer sua eficiência energética. Os próprios pesquisadores admitiram que pretendem avaliar o desempenho do chip dobrado ou flexionado em um próximo estudo.

Outro problema que precisa ser resolvido é que esses dispositivos ainda são muito grandes e consomem energia em excesso. Além disso, é necessário reduzir os custos de produção em grande escala para que esses circuitos integrados possam ser inseridos nas embalagens sem aumentar o preço final dos produtos.

“O que vejo é que a eletrônica flexível está cerca de três a quatro décadas atrás do silício. Se tivermos um desempenho parecido com esse novo microchip, com certeza presenciaremos um desenvolvimento bastante interessante de eficiência e baixo custo de fabricação, como temos nos chips convencionais”, encerra John Biggs.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos