Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,29
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.745,40
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    44.899,57
    +1.307,78 (+3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.126,64
    +17,71 (+1,60%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.306,75
    +3,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2271
    +0,0021 (+0,03%)
     

Problemas na Estação Espacial Internacional podem ser irreparáveis

·2 minuto de leitura
Problemas na Estação Espacial Internacional podem ser irreparáveis
Problemas na Estação Espacial Internacional podem ser irreparáveis

Na última segunda-feira (30), noticiamos aqui no Olhar Digital que cosmonautas russos detectaram importantes fissuras no módulo Zarya da Estação Espacial Internacional (ISS). Na ocasião, eles alertaram que as rachaduras poderiam se alargar com o tempo, mas ainda tentavam contê-las.

Agora, a situação parece ser um pouco mais tensa do que eles previam. Segundo Vladimir Solovyov, engenheiro-chefe da empresa espacial russa Energia, embora as fissuras não apresentem graves ameaças à tripulação a bordo do lado russo da ISS, o laboratório orbital está enfrentando problemas muito sérios em relação aos sistemas de voo do Zarya.

<em>Estação Espacial Internacional em 1998. O módulo Zarya, feito pela Rússia (à esquerda), acoplado ao módulo feito pelos EUA, formava a primeira fase da ISS. É neste local que estão as mais recentes rachaduras encontradas pelos cosmonautas. Imagem: Everett Collection – Shutterstock</em>
Estação Espacial Internacional em 1998. O módulo Zarya, feito pela Rússia (à esquerda), acoplado ao módulo feito pelos EUA, formava a primeira fase da ISS. É neste local que estão as mais recentes rachaduras encontradas pelos cosmonautas. Imagem: Everett Collection – Shutterstock

De acordo com Solovyov, em entrevista à agência de notícias estatal da Rússia RIA, pelo menos 80% dos sistemas de voo no segmento russo do módulo Zarya já expiraram. “Literalmente, um dia após os sistemas de voo estarem totalmente exaustos, falhas irreparáveis podem começar”, alertou.

Em abril, o vice-primeiro-ministro russo, Yuri Borisov, também já havia advertido sobre as condições da ISS. Em entrevista à TV estatal, Borisov afirmou que o envelhecimento estrutural da estação poderia “levar a consequências irreversíveis”. “Não devemos permitir que isso aconteça”, disse ele na ocasião.

Leia mais:

Rússia já avisou que pode deixar a Estação Espacial Internacional

Em junho, a Rússia ameaçou deixar o programa da ISS em 2025, caso os EUA não suspendam as sanções contra o setor espacial do país. A declaração foi dada pelo diretor-geral da Roscosmos, agência espacial russa, Dmitry Rogozin.

Desde então, segundo o site Futurism, levantaram-se suspeitas de que o país esteja procurando por sinais de desgaste como desculpa para deixar a ISS antes do tempo.

A Roscosmos já ameaçou desistir de sua parceria com os países membros da ISS várias vezes, e já anunciou que pretende construir sua própria estação espacial independente.

A estação espacial, que ultrapassou cinco anos de duração das expectativas originais e será aposentada nos próximos anos de qualquer maneira. Mas, o agravamento dos danos resultantes da longa jornada de operação complica a situação do laboratório orbital – e seria uma notícia lamentável se a Rússia decidisse abandonar o projeto deixando a estação espacial em más condições.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos