Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.553,33
    +547,51 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Problemas com o banco rendem indenizações de até R$ 10 mil; veja dicas

·2 min de leitura
Worried executive paying with card on laptop at office
Uma das principais queixas registradas foi de fraude no cartão de crédito
  • Queixas contra bancos representa 26% do total de reclamações

  • Quem reclama tem conseguido até de R$ 10 mil em indenizações em São Paulo

  • Especialistas dão dicas para conseguir comprovar problema de forma mais fácil

Do total de queixas feitas por consumidores no ano passado, 22,6% delas foram contra instituições financeiras, segundo levantamento do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor). E essas pessoas que reclamam têm conseguido receber de R$ 3 mil a R$ 10 mil em indenização, segundo estimativas de especialistas sobre decisões da Justiça no estado de São Paulo. As informações são UOL.

Leia também:

Para entrar na Justiça e conseguir provar que foi lesado pelo banco, o cliente precisa ter provas. Além disso, é importante lembrar que, caso essa indenização saia, ela demora de um a três anos para sair, segundo especialistas em direito do consumidor.

Maiores queixas

As principais queixas feitas por consumidores foram por cobrança de taxas proibidas e não previstas em contrato, empréstimo consignado sem autorização, fraudes no cartão, e cobranças por serviços ou produtos não contratados. Este último teve um aumento de 441% na comparação entre o ano passado e 2019.

Apesar de o setor ter sido o mais reclamado segundo dados do Banco Central e do canal consumidor.gov.br, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) informou em nota que o volume de processos contra instituições bancárias sofreu uma queda de 18% entre 2020 e 2019. A federação disse ainda que, nesse mesmo período, as demandas recebidas nos canais internos.

Dica de especialista

Advogados aconselham consumidores a registrar todo o processo, desde as primeiras tentativas de contatar o banco. As dicas para aumentar a probabilidade de indenização são priorizar formas de atendimento como e-mail ou WhatsApp, que deixam as conversas registradas, anotar e guardar protocolos de atendimento, além de pedir a comprovação por escrito caso a conversa tenha sido presencial.

Documentos como correspondências e extratos bancários também devem ser guardados e usados para ajudar no processo.

Caso a indenização requerida seja de até 20 salários mínimos, dá para entrar no Juizado Especial sem precisar de um advogado e sem custas processuais. Entretanto, se o caso for para segunda instância, aí será necessário contratar um profissional.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos