Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.667,41
    -1.837,25 (-2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Problemas de abastecimento por causa da pandemia atingem setor de bebidas alcoólicas nos EUA

·2 minuto de leitura
Garrafas de bourbon na prateleira de uma loja de bebidas em Louisville, Kentucky, em junho de 2018 (AFP/John Sommers II)

Primeiro foram os chips de computador, agora as bebidas alcoólicas: os problemas na cadeia de abastecimento global da pandemia estão se tornando verdadeiros 'estraga-prazeres' das festas nos Estados Unidos.

Na Pensilvânia, as autoridades limitaram a venda de certas marcas a duas garrafas por pessoa por dia desde 17 de setembro, devido a interrupções persistentes na cadeia de abastecimento e escassez de produtos, informou a comissão estadual do álcool.

Os limites se aplicam a lojas que vendem bebidas alcoólicas e a bares e restaurantes em estados como a Pensilvânia, que têm o monopólio da venda de alguns tipos de álcool.

"Rotineiramente impomos um limite por garrafa aos produtos para os quais sabemos que a demanda excederá a oferta, para distribuir o produto da forma mais justa possível", explicou Shawn Kelly, secretário de imprensa do Conselho de Controle de Licores da Pensilvânia.

Na lista de 43 produtos com limite de venda estão marcas de bourbon, uísque, champanhe, conhaque e tequila.

De acordo com a imprensa americana, vários estados como Vermont, Ohio, Nova Jersey e Alabama estão passando por dificuldades, alguns desde julho, enquanto diversos estudos mostram um aumento no consumo de álcool desde o início da pandemia.

Mac Gipson, administrador do Controle de Bebidas Alcoólicas do Alabama, observa que o problema é "em parte uma questão da cadeia de abastecimento global", com escassez de vidro em alguns lugares e tampas de garrafa em outros.

Os produtores americanos já enfrentavam escassez de mão de obra, problemas de entrega e aumento da demanda de restaurantes e bares que reabriram ao mesmo tempo que as restrições da pandemia acabaram.

Também houve problemas com transporte transatlântico e desembarque nos portos dos Estados Unidos.

"Não é falta de álcool, mas de (algumas) marcas", disse Wendy Knight, vice-comissária do Departamento de Bebidas e Loterias de Vermont. "Por exemplo, embora não tenhamos mais Bacardi (um rum leve), ainda temos outras 21 ofertas de rum, incluindo produtos de destilarias locais", explicou.

cyj/mdl/bfm/ag/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos