Mercado abrirá em 9 h 22 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,39
    +0,48 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.808,20
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    18.934,11
    -134,38 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,52
    +5,77 (+1,56%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.941,17
    +352,97 (+1,33%)
     
  • NIKKEI

    26.608,08
    +442,49 (+1,69%)
     
  • NASDAQ

    12.158,00
    +82,00 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4021
    +0,0052 (+0,08%)
     

Probabilidade de segunda onda de Covid-19 no Brasil é baixa, diz Sachsida

Por Marcela Ayres
·2 minuto de leitura
.
.

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, afirmou nesta terça-feira que estudos internos indicam que a probabilidade de uma segunda onda de coronavírus no Brasil é baixa.

"Vários Estados já atingiram ou estão muito próximos de atingir imunidade de rebanho", disse ele, em coletiva de imprensa.

Bastante questionado a respeito da informação, o secretário afirmou que a linha de corte considerada para a imunidade de rebanho pela Secretaria de Política Econômica (SPE) foi de 20%. Ou seja, este seria o percentual mínimo de pessoas já infectadas pelo novo coronavírus que garantiria um certo efeito de proteção contra a circulação do vírus.

Segundo Sachsida, o patamar de 20% "está na literatura" e vem de "estudos mais novos". Ele reconheceu, contudo, que há parte da literatura que considera a imunidade de rebanho com 60% a 70% da população infectada, corrente que disse ter circulado especialmente no início da pandemia.

Ele também afirmou que, para suas previsões sobre a chance de eventual segunda onda, a SPE analisa dados públicos da PNAD Covid, sob responsabilidade do IBGE.

O secretário reforçou que os indicadores analisados pela secretaria apontam para a força da retomada econômica, e que a avaliação é que em meados de dezembro o país retomará patamares de movimentação pré-Covid.

"Voltando isso, volta o setor de serviços", afirmou ele. "Estamos muito convictos que a partir de outubro o setor de serviços está cada vez mais forte."

Perguntado sobre a necessidade de extensão do auxílio emergencial e futuras transformações no Bolsa Família, ele afirmou que essas são decisões que cabem à Presidência da Repúblico e a ministros.

Ele destacou, contudo, a existência de cerca de 110 bilhões de reais que devem ser injetados na economia até janeiro por medidas tomadas durante a crise do coronavírus, recursos que irão ajudar na recuperação econômica.

O volume contempla a concessão do auxílio emergencial --45 bilhões de reais que ainda não foram pagos aos que têm direito-- e os saques do FGTS ainda não realizados. Também entram na conta os recursos poupados com o auxílio emergencial que já foram pagos, disse Sachsida, sem especificá-los.

"Isso nos dá muita convicção que a economia terá a necessária tração para, liderada pelo setor de serviços, fechar 2020 com tração, entrar bem em 2021 e, passo a passo em 2021 caminharmos para um crescimento cada vez maior e mais sustentável", destacou.

Sachsida afirmou que o desemprego no Brasil está vindo majoritariamente do setor informal, que é mais flexível, e estimou que a população ocupada irá crescer em 2021 com a redução do distanciamento social.