Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,92
    -0,11 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.924,50
    -5,00 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    12.898,77
    +1.841,76 (+16,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,79
    +12,90 (+5,27%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.621,75
    -69,50 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Privatizações ajudarão a proteger meio ambiente, diz governo

Samy Adghirni e Simone Iglesias
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O governo quer incluir o programa de privatizações e concessões na lista de esforços para proteger florestas e rios.

Martha Seillier, secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos, disse que a construção de infraestrutura por meio de concessões e privatizações não só representa boas oportunidades de negócios, mas também uma estratégia favorável ao meio ambiente, num momento em que investidores apertam o cerco contra políticas ambientais do governo.

“A gente precisa desmistificar que não é uma prioridade para o governo brasileiro, que a gente não se importa com isso. É claro que a gente se importa com as queimadas, com o garimpo ilegal. A pergunta é como ter os recursos suficientes e as soluções para preservar o meio ambiente.”

A nova lei do saneamento, recentemente aprovada com apoio do governo para facilitar a privatização dos serviços de água e esgoto, vai reduzir a poluição dos rios e melhorar os padrões de higiene em todo o país, disse a secretária. As concessões ferroviárias reduzirão a dependência de automóveis, afirmou. Ela citou ainda leilões e investimentos em energia eólica e hidrelétricas como parte de uma agenda favorável ao meio ambiente.

“A gente vê os grandes fundos de investimento cada vez mais buscando carteiras ESG [...] e a gente tem uma carteira que se enquadra como investimento verde muito significativa. Nossa carteira é sustentável”, disse em referência à sigla em inglês para critérios ambientais, sociais e de governança.

Investidores foram inicialmente atraídos pela agenda pró-mercado de Bolsonaro, mas, recentemente, grandes fundos e empresas europeias começaram a mostrar preocupação com as políticas ambientais do governo, que minimizou incêndios florestais e enfraqueceu a fiscalização. Com o aumento da pressão, o governo mudou de estratégia e agora convoca o setor privado para ajudar a proteger a Amazônia.

Processo lento

Bolsonaro ainda não cumpriu as ambiciosas promessas de privatização, já que os planos para vender grandes estatais não estão prontos.

“O desafio maior já aconteceu, que é a decisão política de avançar nessa rota. Em um governo de quatro anos, as principais decisões foram tomadas no primeiro ano; este segundo ano tem sido de estudos de modelagem. O ano que vem, se tudo der certo, vai ser o ano de leilões.”

Ela citou gestoras de ativos como Emgea e ABGF, empresas de abastecimento como Ceagesp e CeasaMinas, e a autoridade portuária Codesa como empresas cujas privatizações devem acelerar no próximo ano. Os Correios e a Eletrobras também podem ser privatizados em 2021, dependendo da aprovação do Congresso, disse.

Mas a volatilidade do câmbio deixa investidores cautelosos. O real é uma das moedas com pior desempenho entre economias emergentes, em grande parte devido às preocupações do mercado de que Bolsonaro possa romper o limite de gastos para financiar um novo programa de transferência de renda que visa mitigar os efeitos da pandemia.

Martha disse que a agenda pró-mercado de Bolsonaro não está em risco e que o governo criará uma espécie de hedge cambial em contrato para os investidores. “Se o investidor estiver financiado em moeda estrangeira, parte da outorga variável que ele paga por ano, ao invés de ir para o Tesouro Nacional, vai para esse colchão, para essa conta apartada. Essa conta apartada vai poder ser utilizada para compensar variações cambiais desse investimento.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.