Mercado fechará em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    128.373,81
    -891,15 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.101,09
    -214,60 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,38 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.778,10
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    32.118,49
    -168,92 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    765,97
    -28,36 (-3,57%)
     
  • S&P500

    4.238,99
    +14,20 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    33.888,95
    +11,98 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.220,75
    +90,75 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9646
    -0,0107 (-0,18%)
     

Privatização da Cedae pode render ao Rio R$ 6,8 bilhões em 2021, diz BNDES

·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Após questionamentos do governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) tenta convencer o estado a manter o cronograma do leilão, previsto para o primeiro trimestre de 2021. O diretor de Infraestrutura, Concessões e PPPs (parcerias público-privadas) do banco, Fábio Abrahão, disse nesta quarta (11) que considera naturais os questionamentos do governador, mas afirma não ter dúvidas de que a concessão será muito mais benéfica ao estado do que o modelo atual. Em entrevista na manhã desta quarta, Castro voltou a demonstrar preocupação com o modelo elaborado pelo BNDES. O principal ponto de questionamento é a capacidade de sobrevivência da empresa que permanecerá estatal e será responsável pela produção de água. O governador disse temer que essa empresa não tenha receita suficiente para pagar suas dívidas e investir, passando a depender de aportes do estado no futuro. Seu antecessor, Wilson Witzel, também chegou a demonstrar dúvidas com relação ao processo, mas havia decidido pela venda antes de ser afastado do governo. "As questões que o governador levantou são legítimas e até naturais, pelo fato de ele ter acabado de assumir, pela mudança de time", disse Abrahão, em entrevista no fim da tarde desta quarta. Segundo ele, o projeto deixará para o estado uma empresa viável. A privatização da Cedae é uma das contrapartidas que o Rio apresentou ao Tesouro para aderir ao regime de recuperação fiscal, que suspendeu as parcelas da dívida do estado com a União. Foi aprovada em 2017, em meio a violentos protestos na capital fluminense. Logo após a aprovação, o então governador, Luiz Fernando Pezão, deu ações da empresa como garantia a um empréstimo de R$ 2,9 bilhões (hoje já em R$ 4,5 bilhões) para pagar salários atrasados durante o momento mais agudo de crise financeira do estado. Caso o empréstimo não seja pago, essas ações passam para o Tesouro Nacional, que garantiu o empréstimo junto ao banco francês BNP Paribas. Castro diz que está renegociando o empréstimo, mas que ainda avalia a privatização da empresa. Divisão em blocos O modelo elaborado pelo BNDES prevê a divisão da área de concessão da Cedae em quatro blocos, cada um com uma região da capital e cidades do interior. O valor de outorga mínimo foi estipulado em R$ 10,6 bilhões e os investimentos na universalização dos serviços serão de R$ 31 bilhões. "É o maior projeto de infraestrutura do país", disse Abrahão. "Primeiro porque mobiliza R$ 31 bilhões em investimentos. Com a outorga mínima, são quase R$ 42 bilhões de capital imobilizado, sem contar eventual ágio no leilão." Segundo ele, o governo do Rio pode receber R$ 6,8 bilhões da outorga já em 2021, dependendo de quando o leilão for feito. O valor corresponde às duas primeiras parcelas da outorga mínima. Ao todo, se o leilão sair pelo preço mínimo, o estado levará R$ 8,5 bilhões. O diretor do BNDES diz que a experiência de leilões recentes reforça possibilidade de ágio, o que elevaria os valores recebidos. No fim de setembro, a concessão para os serviços de saneamento da região metropolitana de Alagoas teve ágio de 13.180%. O cronograma prevê que R$ 12 bilhões sejam gastos nos primeiros cinco anos de concessão. O BNDES estima que os esforços pela universalização dos serviços para as 13 milhões de pessoas da área de concessão gere até 46 mil empregos, com mais R$ 34 bilhões de efeito renda. Abrahão citou ainda a obrigação de investimentos na despoluição da Baía de Guanabara e na limpeza da Bacia do rio Guandu, que abastece a capital e a região metropolitana, como benefícios adicionais do processo de concessão. Com o nível de investimento atual, diz o banco, a Cedae levaria 140 anos para universalizar os serviços de saneamento no estado. A Cedae que permanecerá com o estado terá uma arrecadação de R$ 4,4 bilhões, valor considerado pelo BNDES suficiente para reescalonar sua dívida de R$ 6 bilhões e realizar os investimentos na melhoria da captação de água para vender aos novos concessionários. Essa empresa seria a responsável por fornecer água para as quatro novas concessionárias que atenderão aos 47 municípios da área de concessão da Cedae. Os municípios dividirão 15% da outorga e 50% de eventual ágio no leilão, além de parte da outorga variável, que é um pagamento sobre a receita gerada pelas concessões. Atualmente, o projeto está sendo analisado pela Procuradoria Geral do Estado, que pode recomendar mudanças. Depois, precisa ser aprovado pelos municípios envolvidos na concessão, antes da publicação do edital. A partir desse momento, diz Abrahão, começa a correr um prazo de 90 a 100 dias para o leilão. Castro afirmou que não paralisou o processo enquanto discute com o BNDES suas dúvidas. "Estamos tocando o planejamento, não mudou nada", disse. "As discussões [sobre o modelo] ocorrem em paralelo ao andamento da concessão."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos