Mercado abrirá em 9 h 56 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,41
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.763,70
    -15,10 (-0,85%)
     
  • BTC-USD

    43.736,58
    +1.664,02 (+3,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.098,43
    +57,95 (+5,57%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.521,66
    +300,12 (+1,24%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.188,50
    +25,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2118
    +0,0030 (+0,05%)
     

Private equity mira investidores ricos para crédito de risco

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O mercado de crédito privado, de maior risco e maior recompensa, está de olho nos ricos.

Blackstone, Carlyle, Apollo Global Management e outras grandes empresas começaram a oferecer produtos para indivíduos investirem em empréstimos para empresas de médio porte que bancos não querem tocar. A isca é um retorno anual às vezes acima de 8% comparado a índices de retorno de títulos corporativos negativos, além de um investimento inicial relativamente baixo.

A iniciativa coincide com uma democratização mais ampla dos mercados financeiros, com aplicativos como a Robinhood Markets que facilitam os investimentos em vários segmentos, das chamadas empresas de cheque em branco a criptomoedas como Dogecoin. O fenômeno das ações meme nos EUA este ano mostrou o retorno potencial para investidores de varejo de empresas em crise, como a AMC Entertainment, cuja ação acumula alta de mais de 1.500%.

Ao contrário de ações e títulos negociados no mercado aberto, o risco no crédito privado é a relativa falta de liquidez. Em um mercado aberto, operadores conseguem vender quase instantaneamente, mesmo que a preços mais baixos. No crédito privado, os credores normalmente ficam com os empréstimos até o vencimento, o que dificulta os saques rápidos.

“Minha preocupação é que, se um cliente está procurando rendimento, há um motivo pelo qual você está obtendo um yield muito maior do que com Treasuries, e isso é um aumento do risco”, disse Paul Auslander, diretor de planejamento financeiro da ProVise Management.

Para os bancos, não é apenas porque os empréstimos são arriscados, mas também porque os requisitos de capital impostos por reguladores tornam difícil manter certos investimentos.

Há motivos para acreditar que os novos produtos atrairão a demanda do varejo: os rendimentos de investimentos em renda fixa estão próximos de mínimas históricas, uma vez que bancos centrais reduzem os juros para apoiar a economia pós-pandemia. E firmas de private equity - cujas listas de clientes geralmente incluem fundos de pensão, dotações, seguradoras e fundos soberanos - agora se expandem com indivíduos ricos.

A Blackstone, por exemplo, lançou produtos de fundos de hedge, fundos de investimento imobiliário privado e fundos de saque de longo prazo para investidores individuais, classes de ativos historicamente limitadas a instituições.

“Vemos oportunidade de investimento e acreditamos que a demanda de investidores existe”, disse Joan Solotar, chefe global de soluções de patrimônio privado da Blackstone. O ambiente de hoje “torna desafiador para um portfólio tradicional de renda fixa entregar o rendimento necessário”.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos