Mercado fechado

Prisão injusta de ex-funcionário derruba popularidade da Huawei na China

Claudio Yuge

A Huawei até conseguiu ficar na segunda posição entre as maiores vendedoras de smartphones, mesmo com as restrições impostas pelos Estados Unidos, que a obriga a usar outras soluções de apps nativos em vez dos da Google em seus dispositivos mais recentes. Mas um caso de prisão injusta envolvendo um ex-funcionário tem causado revolta nas redes sociais e, consequentemente, derrubando sua popularidade na China — e em todo mundo.

Aconteceu o seguinte: Li Hongyuan trabalhou por 13 anos na companhia e, ao ser desligado no começo do ano passado, combinou um valor de saída que estaria perto dos US$ 43 mil (R$ 180 mil na conversão direta). Só que em dezembro ele foi preso sob a acusação de ter extorquido a companhia — por razões que até agora ninguém sabe, talvez segredos industriais.

Hongyuan passou 251 dias preso e foi liberado agora. Os promotores chegaram à conclusão de que não havia provas para mantê-lo em regime fechado, e seus advogados afirmaram à CNN que seu cliente nunca foi processado e também não recebeu uma indenização do governo.

Ele ainda pediu desculpa — e a web ficou furiosa com a Huawei

O caso teria sido abafado pela própria Huawei, que teria pago algo em torno de US$ 15 mil (R$ 63 mil) para que o rapaz deixasse essa história para lá. Mas essa história vazou e o próprio Hongyuan pediu desculpas à companhia. "Não era minha intenção causar tanto alarde na Internet, e lamento por isso", disse ele.

A Huawei teve uma resposta bem diferente do que seus consumidores gostariam. "Nós respeitamos a independência e a autoridade do processo de justiça criminal para examinar e fazer um julgamento legal e correto. Se alguém acredita que sofreu danos ou teve seus direitos legais violados, a Huawei defende totalmente seu direito de buscar os tribunais”, comunicou.

Não demorou a chover críticas à fabricante chinesa nas redes sociais. Em uma postagem no Twitter, um usuário ainda lembrou que o pai do ex-funcionário teria morrido enquanto ele esteve na prisão.


Outro disse que a Huawei teve um comportamento “completamente sem humanidade”.


Isso afeta bastante a companhia, especialmente no momento delicado em que consumidores chineses tornaram o Mate 30 e o Mate X em um sucesso de vendas, mesmo com o bloqueio comercial imposto pelos Estados Unidos — em um claro apoio diante dessa situação. Agora, com essa atitude, muita gente está revendo essa paixão.

Hongyuan, no final das contas, acabou fazendo o que achou certo. “Não me arrependo da minha escolha de falar a verdade. Sempre há um custo envolvido em ser honesto".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: