Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,59 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.797,70
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    16.884,36
    -194,09 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    396,21
    -5,83 (-1,45%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.560,74
    -125,66 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    11.491,00
    -18,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4665
    +0,0001 (+0,00%)
     

Prioridade absoluta é pagar auxílio de R$600 em 2023, diz Guedes ao defender taxação de dividendos

Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de cerimônia em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - A prioridade absoluta do governo é garantir o pagamento do Auxílio Brasil de 600 reais em 2023, disse nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendendo a aprovação da taxação de lucros e dividendos para financiar a medida.

O ministro estimou que a arrecadação do novo tributo será de 69 bilhões de reais ao ano. Segundo ele, a medida seria suficiente para bancar o programa social, que teria custo adicional de aproximadamente 52 bilhões de reais em 2023.

A regra atual prevê que o valor do benefício por família ficará em 600 reais apenas até dezembro, retornando a 400 reais em janeiro. O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeram manter o valor elevado no ano que vem no caso de vitória nas eleições de domingo.

O problema para o pagamento do auxílio turbinado não estará resolvido mesmo que a fonte de recursos para o programa seja aprovada. Isso porque não há espaço no teto de gastos --que limita o crescimento das despesas do governo à variação da inflação-- e seria necessário aprovar uma emenda constitucional para alterar a norma fiscal.

Em videoconferência promovida pela Suno Research, Guedes adotou tom de campanha e afirmou que uma “hipótese perversa” de Lula ganhar a eleição “vai abalar todo esse caminho da prosperidade que já está desenhado e contratado”.

Na avaliação do ministro, nesse eventual cenário, a centro direita daria a Lula “o mesmo aperto” que o atual governo recebeu e nas próximas eleições “o Bolsonaro volta para competir com o Lula de novo”.

Para ele, se Bolsonaro ganhar a eleição, “o Lula se aposenta” e o pleito seguinte seria “pacificado” e disputado por um candidato de centro.

(Por Bernardo Caram)