Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,75
    +2.338,83 (+2,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.858,94
    +591,74 (+1,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,84
    +1,78 (+4,13%)
     
  • OURO

    1.803,60
    -34,20 (-1,86%)
     
  • BTC-USD

    19.019,00
    +567,04 (+3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,07
    +8,32 (+2,25%)
     
  • S&P500

    3.636,63
    +59,04 (+1,65%)
     
  • DOW JONES

    30.053,73
    +462,46 (+1,56%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.073,50
    +168,25 (+1,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3900
    -0,0503 (-0,78%)
     

Principal candidato opositor rejeita resultados de eleição na Tanzânia

·3 minuto de leitura
O presidente tanzaniano John Magufuli (E) e seu principal adversário nas eleições da Tanzânia, Tundu Lissu
O presidente tanzaniano John Magufuli (E) e seu principal adversário nas eleições da Tanzânia, Tundu Lissu

O principal candidato da oposição à presidência da Tanzânia, Tundu Lissu, rejeitou antecipadamente nesta quinta-feira os resultados das eleições gerais do dia anterior, chamando-os de "fraude total". 

"O que aconteceu ontem não foi uma eleição e não reconhecemos. Não aceitamos nem reconhecemos nenhum resultados desse processo", declarou em discurso no Facebook o principal adversário do presidente John Magufuli. 

Denunciando "uma fraude eleitoral de magnitude sem precedentes em nosso país", o oponente declarou que os observadores de seu partido foram impedidos de entrar, ou expulsos pela força, em "milhares de mesas eleitorais". 

Referindo-se aos resultados "ilegítimos", o advogado de 52 anos convocou seus partidários a manifestações "democráticas e pacíficas" e ao apoio da comunidade internacional. 

Seu advogado, o canadense Robert Amsterdam, convocou a União Africana e a Comunidade Britânica, duas organizações das quais a Tanzânia é membro, para investigarem "alegações de fraude eleitoral, violência e violações dos direitos humanos que cometeram crimes nas eleições presidenciais".

Quase 29 milhões de tanzanianos foram convocados às urnas na quarta-feira, espalhados pelo continente do país e 556 mil residentes no arquipélago de Zanzibar, que juntos formam a República Unida da Tanzânia, com cerca de 58 milhões de habitantes. 

Tiveram de escolher entre 15 candidatos presidenciais, mas o duelo aconteceu entre Magufuli, 60 anos, candidato à reeleição pelo partido CCM ("O Partido da Revolução"), no poder desde 1961, e Lissu, 52, que foi apresentado pelo Chadema (Partido para a Democracia e o Progresso). 

A comissão eleitoral da Tanzânia, que indicou na quarta-feira não ter havido nenhum caso de urnas cheias - como alegado pela oposição - começou a publicar os resultados das eleições legislativas de madrugada, com números marcados pela perda de cadeiras pela oposição. 

Quanto às eleições presidenciais, os primeiros resultados parciais colocam John Magufuli à frente, com 80% dos votos nos 12 distritos apurados (sobre os 264 existentes), cujos resultados chegaram à comissão. Em seguida aparece Tundu Lissu, cujo melhor desempenho nestes 12 distritos não ultrapassa os 15%. 

Durante seu primeiro mandato, Magufuli governou de forma autoritária, segundo seus detratores. Quando foi ministro de Obras Públicas (2010-2015), ganhou o apelido de "Bulldozer" ou "Tingatinga" em suaili.

No arquipélogo semiautônomo de Zanzíbar, onde os eleitores escolhem seu próprio presidente e deputados, a oposição também perdeu várias cadeiras, principalmente em alguns de suas fortalezas, segundo os primeiros resultados.

Seif Sharif Hamad, seu líder, foi preso nesta quinta-feira junto com outros membros de seu partido, ACT Wazalendo, pouco depois de realizar uma coletiva de imprensa na qual pediu aos seus partidarios que se manifestassem.

A maioria dos meios de comunicação internacionais não recebeu credenciamento para cobrir as eleições na Tanzânia continental, e as mensagens das redes sociais, como WhatsApp e Twitter, eram inacessíveis em todo o país.

Durante o dia das eleições, Lissu denunciou "irregularidades generalizadas", citando a recusa de permitir a entrada de observadores nos centros de votação e a descoberta de urnas cheias, por exemplo em Dar es Salaam. 

str-md-ayv/fal/blb/mar/me/cc/aa