Mercado fechará em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    109.538,71
    +1.050,83 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,64
    +0,36 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.854,40
    +12,30 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    30.320,22
    +297,62 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    679,69
    +4,82 (+0,71%)
     
  • S&P500

    3.934,42
    +33,06 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    31.574,88
    +312,98 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.477,53
    +87,55 (+1,18%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.869,50
    +28,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1237
    -0,0291 (-0,56%)
     

Principais empresas da Alemanha aumentam mulheres na liderança

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- As principais empresas da Alemanha promoveram mais mulheres para cargos nos conselhos no ano passado, o que sugere que as cotas estão ajudando a criar lideranças mais inclusivas.

A participação de mulheres nos conselhos das 200 maiores empresas do país subiu três pontos percentuais para quase 15%, de acordo com o instituto de pesquisa econômica DIW, com sede em Berlim, o aumento mais acentuado desde que a instituição começou a acompanhar o progresso, em 2006.

“As mulheres continuam consideravelmente sub-representadas em muitas grandes empresas, mas a tendência mais recente é notável”, disse Katharina Wrohlich, que lidera a equipe de pesquisa econômica focada em gênero do DIW.

A representação feminina nos conselhos de fiscalização aumentou a um ritmo mais lento, para pouco mais de 30%. Os dados foram coletados de 28 de novembro a 7 de dezembro.

Uma regra que exige representação de 30% de mulheres nos conselhos de fiscalização está em vigor na Alemanha desde 2016. A partir de agosto, os conselhos de administração de empresas listadas e empresas com mais de 2.000 funcionários em que os sindicatos têm assentos no conselho de supervisão, também estarão sujeitos às cotas de gênero: se tiverem mais de três lugares no conselho de administração, um terá de ser preenchido por uma mulher.

Essa regra afeta 66 empresas atualmente, de acordo com a DIW. Enquanto 19 ainda não têm executivas, 12 nomearam uma mulher desde a última avaliação do DIW em 2020.

Os dados mais recentes mostram empresas do DAX-30 liderando em relação a seus pares. As empresas afiliadas ao governo estão se saindo ainda melhor, embora o DIW alerte que o tamanho reduzido e a frequente relação entre cargos administrativos com cargos políticos compliquem comparações.

Apesar do progresso recente, a Alemanha está atrasada em relação a seus pares em promover mulheres. Em toda a União Europeia, um em cada cinco membros do conselho executivo é do sexo feminino, sendo que a Romênia lidera o ranking com 32%.

Em termos de conselhos de fiscalização, a Alemanha fica atrás de países como França, Itália e Bélgica, onde as mulheres representam mais de 40%.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos