Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.444,59
    +495,69 (+2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,19
    +7,79 (+2,08%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2360
    -0,0838 (-1,33%)
     

Primeiros norte-americanos podem receber vacina contra Covid-19 em 11/12, diz autoridade

·1 minuto de leitura

(Reuters) - Os primeiros norte-americanos poderão receber a vacina contra a Covid-19 já em 11 de dezembro, disse o pesquisador-chefe do programa de vacinas do governo dos Estados Unidos neste domingo.

"Dentro de 24 horas a partir da aprovação a vacina estará em movimento para as áreas onde cada Estado terá nos informado querer as doses", disse o doutor Moncef Slaoui, integrante do programa "Operação Warp Speed", ao programa "Meet the Press" da NBC.

Os consultores externos da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) se reunirão no dia 10 de dezembro para discutir se autorizam a vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Pfizer com sua parceira alemã BioNTech para uso de emergência.

A vacina, que requer duas doses administradas com cerca de três semanas de intervalo, demonstrou ser 95% eficaz, sem maiores problemas de segurança. A Pfizer espera ter doses suficientes para proteger 25 milhões de pessoas até o final do ano.

A vacina será distribuída com base na população de cada Estado, disse Slaoui. Cada Estado decidirá quem recebe a vacina primeiro, com a recomendação de que seja dada prioridade aos profissionais de saúde, trabalhadores da linha de frente e idosos que enfrentam os maiores riscos de morrer pelo vírus.

Cerca de 70% da população precisa ser imunizada para obtenção da imunidade coletiva, meta que o país pode atingir até maio, disse ele.

(Por Doina Chiacu e Will Dunham em Washington)