Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.813,39
    -1.593,54 (-2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Primeiro tuíte completa 15 anos

·1 minuto de leitura
Logo do Twitter

"Estou criando minha conta Twttr", tuitou o fundador da plataforma, Jack Dorsey, em 21 de março de 2006, marcando o lançamento há 15 anos da rede social.

Este pequeno texto marcou o nascimento da plataforma que hoje conta com mais de 190 milhões de usuários por dia e goza de grande popularidade nos setores político, econômico e jornalístico.

Nestes 15 anos, o Twitter tornou-se um ator chave no setor de mídia social, embora não sem polêmica.

Uma das últimas ocorreu em janeiro, quando a plataforma decidiu deletar a conta do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, uma de suas principais ferramentas de comunicação e onde acumulava 88 milhões de seguidores, por incitação à violência, após a invasão do Capitol por seus seguidores.

A exclusão do chefe de Estado suscitou aplausos e críticas, sinal do complexo equilíbrio entre neutralidade, defesa da liberdade de expressão e moderação com que as plataformas devem trabalhar.

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, defendeu sua decisão, mas admitiu que constituía um "fracasso" e um precedente "perigoso".

No início de março, o chefe da rede social, com sede em São Francisco, anunciou a venda deste primeiro tuíte, através de um link para o site "Valuables", onde os interessados podem enviar suas ofertas.

Comprar esta mensagem significa adquirir "um certificado digital do tuíte, único porque foi assinado e verificado pelo criador", explica o site de leilões, algo semelhante a um autógrafo.

Neste domingo, havia uma oferta de cerca de US$ 2,5 milhões para obtê-lo.

cjc/hr/rs/dga/mr