Mercado abrirá em 6 hs
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,64
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.889,80
    +13,20 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    22.781,92
    -612,71 (-2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,87
    -13,99 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.208,90
    -451,57 (-2,08%)
     
  • NIKKEI

    27.664,00
    +154,54 (+0,56%)
     
  • NASDAQ

    12.559,75
    -64,25 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5388
    +0,0003 (+0,01%)
     

Primeiro transplante de coração artificial completa 40 anos

Nesta quinta-feira (1), celebramos 40 anos da primeira vez em que se fez um transplante permanente de coração artificial. O paciente em questão foi o dentista Barney Clark, de Seattle (EUA), que sofria de insuficiência cardíaca.

O médico responsável pela operação foi o Dr. William DeVries, da University of Utah. Na ocasião, o cirurgião substituiu o coração de Clark pelo primeiro coração artificial permanente do mundo. Conhecido como Jarvik-7 (em homenagem ao ex-médico e inventor Robert Jarvik), o dispositivo era feito de alumínio e poliuretano, e foi conectado a um compressor de ar que acompanharia Clark por seus últimos 112 dias de vida.

Clark morreu aos 62 anos, em 23 de março de 1983. Na época, a causa da morte foi declarada como “colapso circulatório e falha secundária do sistema de múltiplos órgãos”. No entanto, a disposição de Clark de ser pioneiro neste novo dispositivo fez a diferença na pesquisa de dispositivos cardíacos mecânicos e desafiou a comunidade científica e o público em geral a abrir a mente.

Atualmente, os pesquisadores da University of Utah continuam o programa de Insuficiência Cardíaca Avançada, que estuda ativamente novos dispositivos capazes de ajudar em casos de insuficiência cardíaca. Durante a época de Barney Clark, o campo de pesquisa era muito jovem.

Primeiro transplante permanente de coração artificial (Imagem: reprodução/University of Utah)
Primeiro transplante permanente de coração artificial (Imagem: reprodução/University of Utah)

De acordo com o Utah IRB (Conselho de Revisão Institucional), o sucesso foi definido como Clark saindo vivo da cirurgia. Ele tinha mais de 50 anos, tinha uma doença cardíaca crônica e não tinha outras opções disponíveis para ele. Os outros sistemas de seu corpo estavam funcionando moderadamente bem e ele tinha um forte sistema de apoio, principalmente de sua família.

Os profissionais envolvidos contaram, em entrevista à própria universidade, que houve muitos problemas ao longo daqueles 112 dias, uma vez que nunca se tinha colocado um dispositivo semelhante em alguém antes, então surgiram desafios como lidar com medidas anticoagulantes até a melhor forma de impedir a infecção.

Os médicos disseram que a preferência por esse tipo de nova tecnologia aumentou. Se não tivesse funcionado, isso poderia ter retardado a progressão nesta área. Em vez disso, nos dez anos seguintes, 236 implantes de coração artificial foram colocados em todo o mundo. Hoje, os implantes artificiais estão sendo usados ​​principalmente como uma ponte para transplantes, garantindo às pessoas um pouco mais de tempo até que um coração esteja disponível.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: