Mercado abrirá em 27 mins
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,76
    +0,29 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.893,30
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    22.699,35
    -484,91 (-2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,78
    -14,12 (-2,63%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.942,15
    +56,98 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.685,50
    +140,25 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5828
    +0,0154 (+0,28%)
     

Primeiro quasicristal natural no mundo pode ter se formado por acidente

Um quasicristal, material cristalino com ordenamento atômico atípico, foi encontrado naturalmente pela primeira vez na Terra. A substância foi gerada de forma acidental, a partir de uma descarga elétrica em dunas do estado americano de Nevada. Quasicristais só haviam sido encontrados em meteoritos ou gerados artificialmente.

Os quasicristais são um tipo de material que difere dos cristais tradicionais graças ao seu ordenamento atômico irregular: um cristal comum possui uma estrutura chamada célula unitária que se repete ao longo de sua rede cristalina. Sólidos como os sais, minerais e metais se organizam dessa forma.

O quasicristal formado por acidente em dunas de Nevada é o primeiro encontrado naturalmente na Terra (Imagem: Reprodução/Luca Bindi et al./PNAS)
O quasicristal formado por acidente em dunas de Nevada é o primeiro encontrado naturalmente na Terra (Imagem: Reprodução/Luca Bindi et al./PNAS)

Existem também os sólidos amorfos, como é o caso do vidro e vários polímeros, em que não há nenhum ordenamento atômico. Mas no caso de um quasicristal, o ordenamento existe, ele só não tem um padrão de repetição. Isso confere a eles características físicas exóticas, como sua dureza, condutividade elétrica e atrito com outros materiais.

Em 2021, pesquisadores do Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, haviam encontrado um quasicristal criado a partir da primeira explosão nuclear, parte dos testes do Projeto Manhattan. Outros quasicristais conhecidos vieram do espaço, à bordo de meteoritos. A descoberta, portanto, pode ser histórica, se confirmada.

Padrão de difração do quasicristal revelando uma simetria de 12 lados (Imagem: Reprodução/Luca Bindi et al./PNAS)
Padrão de difração do quasicristal revelando uma simetria de 12 lados (Imagem: Reprodução/Luca Bindi et al./PNAS)

Suspeita-se que o quasicristal tenha se formado com a queda de uma linha de energia atingida por um raio. A descarga produziu temperaturas acima de 1.700ºC, que levaram a formação de fulguritos, estruturas cilíndricas de areia, contendo o material.

A substância é formada por manganês, silício, cromo, alumínio e níquel. Sua formação sugere que esse tipo de material possa existir em outros lugares do globo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: