Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,37
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.848,90
    +10,80 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    44.997,26
    -2.862,66 (-5,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.244,61
    -113,95 (-8,39%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.002,53
    -81,94 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    13.372,75
    -14,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3977
    -0,0063 (-0,10%)
     

Primeiro-ministro francês recebe calcinhas em protesto contra lockdown

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dezenas de donos de lojas de lingerie agrupados no coletivo Action Culottée estão enviando calcinhas pelo correio para o primeiro-ministro francês, Jean Castex, em protesto exigindo a reabertura de suas lojas, que atualmente estão fechadas devido à pandemia de Covid. O protesto é organizado pelo Action Culottée depois que as lojas de lingerie foram classificadas como comércio não-essencial e forçadas a fechar as portas para reduzir a transmissão pelo vírus. Os ativistas também tem compartilhado fotos nas redes sociais de diferentes roupas íntimas enviadas a Castex, dentro de um envelope com uma carta que explica as reivindicações. Uma dona de loja, que faz parte do coletivo, disse para a publicação France Bleu que enviar as calcinhas é uma maneira de mostrar o descontentamento de forma humorística e simbólica. "A calcinha ainda é a primeira coisa que colocamos de manhã", disse a comerciante. Outra comerciante questionou que, desde o novo confinamento, livrarias e até cabeleireiros reabriram, mas por que não as lojas de lingerie. "Por que não é considerado essencial?, questionou. A lojista exige a reabertura da sua loja e reclama que os grandes espaços abertos vendem roupas ínitmas em certas regiões da França. A situação das chamadas lojas não essenciais é ainda mais difícil. O porta-voz do governo, Gabriel Attal, informou no dia 16 de abril que a data de reabertura foi adiada. As lojas, que deveriam reabrir em 3 de maio, permanecerão fechadas pelo menos até meados de maio.