Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,02
    +0,14 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.868,70
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    40.406,16
    +1.557,59 (+4,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,43
    +33,59 (+3,47%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.118,75
    -6,00 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1462
    +0,0147 (+0,24%)
     

Primeiro cruzeiro pós-Covid deixa Veneza em meio a protestos

·1 minuto de leitura

Por Giulia Segreti e Alex Fraser

VENICE (Reuters) - O primeiro cruzeiro a sair de Veneza desde que as restrições contra o coronavírus foram aliviadas zarpou neste sábado, mas alguns moradores locais protestaram contra o retorno à normalidade, insatisfeitos com a passagem de navios gigantes pela cidade histórica.

Centenas de pessoas se reuniram em terra e pequenos barcos com bandeiras dizendo “Sem navios grandes” e seguiram o MSC Orchestra, com 92.000 toneladas, quando ele zarpava do porto de Veneza com destino a Croácia e Grécia.

“Estamos aqui porque somos contra essa passagem, mas também contra um modelo de turismo que está destruindo a cidade, expulsando moradores, destruindo o planeta, as cidades, e poluindo”, disse Marta Sottoriva, professora de 29 anos e moradora de Veneza.

Mas autoridades portuárias, trabalhadores e a administração da cidade receberam de braços abertos a saída do Orchestra, operado pela MSC Cruzeiros, como um símbolo do reinício dos negócios após a crise sanitária que atingiu em cheio a indústria de cruzeiros e o setor de viagens em geral.

“Estamos felizes por estarmos de volta... reiniciando os motores. Nós nos preocupamos muito com Veneza e há muitos anos pedimos uma solução estável e administrável para os navios”, disse Francesco Galietti, diretor-nacional do grupo comercial Cruise Lines International Association (CLIA, sigla em inglês).

Alguns moradores pedem há anos que o governo proíba que grandes cruzeiros e outros grandes navios passem pelos canais e atraquem não muito longe da famosa Praça de São Marcos.

(Por Giulia Segreti)