Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.249,44
    +865,84 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Primeiro cometa interestelar detectado até agora é também o mais 'imaculado'

·2 minuto de leitura
Esta imagem de folheto disponibilizada em 30 de março de 2021 pelo European Southern Observatory mostra o cometa 2I / Borisov passando perto do Sol, tirada com o instrumento FORS2 no Very Large Telescope do ESO no final de 2019

O primeiro cometa interestelar, observado em 2019, se revelou o "mais imaculado" entre aqueles conhecidos, com uma composição praticamente intacta desde a sua formação, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira (30).

Trata-se do cometa 2IBorisov, observado em 30 de agosto de 2019 por um aficcionado ucraniano, Gennady Borisov.

Por sua trajetória, os cientistas deduziram que não poderia vir do interior do Sistema Solar e que, portanto, era um cometa único.

Uma equipe internacional trabalhou com o telescópio VLT do Observatório Europeu Austral (ESO) no Chile para determinar as características mineralógicas deste corpo celeste, cujo núcleo tem um raio de menos de 1 km.

Eles usaram a técnica de polarização, que permite que esses dados sejam deduzidos por meio da luz refletida.

Ao contrário dos cometas "locais", a cauda de Borisov tem uma "polarização muito homogênea", disse à AFP Philippe Bendjoya, pesquisador do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica e co-autor do estudo publicado na revista Nature Communications.

"Isso significa que Borisov nunca passou perto de uma estrela", de acordo com Bendjoya.

É, portanto, o cometa mais "imaculado" conhecido até hoje, o que em termos astronômicos significa que nunca passou perto o suficiente de uma estrela para ser transformado por seu calor.

Borisov apenas se parece com outro cometa nativo do Sistema Solar, o famoso Hale-Bopp, observado em 1995.

Acredita-se que ele só tenha se aproximado do Sol uma vez e, portanto, foi pouco alterado pela radiação e ventos solares. Sua composição teria permanecido intacta desde sua formação, durante a criação do Sistema Solar, há 4,5 bilhões de anos.

Mas onde nasceu Borisov?

"Certamente nunca saberemos, já que não podemos observá-lo novamente". O cometa está atualmente perto de Saturno e está saindo do Sistema Solar. E não vai voltar.

juc-app/mb/ap/mvv