Mercado fechado

Primeiro celular Android poderia ter sido mais ousado que HTC Dream

O HTC Dream (também conhecido como T-Mobile G1) foi o primeiro celular do mundo com Android embarcado. Lançado um ano após o primeiro iPhone, o modelo definiu a competição que se seguiria nos próximos anos entre Apple e fabricantes com o robozinho verde, mas o Google tinha uma visão muito diferente de qual celular projetar no início de tudo, apostando em um visual ainda mais marcante que o modelo que já conhecemos.

Antes do lançamento do iPhone e após ter adquirido o Android em 2005, o Google trabalhava em dois celulares: Sooner e Dream. O primeiro tinha como concorrentes celulares Blackberry e Windows Mobile e incluía teclado QWERTY completo, já o segundo apostava na tela sensível ao toque com mecanismo retrátil para revelar o teclado quando necessário.

Após a chegada do iPhone em 2007, o Google descartou o projeto Sooner para apostar suas fichas no Dream e sua experiência touch. Agora, uma imagem compartilhada pelo cofundador do Android Rick Miner mostra a visão inicial da empresa para o dispositivo, com ideia muito mais ousada do que chegou ao público.

Dream: o sonho que, em parte, não virou realidade

Protótipo do Google exibe um celular diferente do HTC Dream com audaciosa cor verde que ficou de fora do lançamento oficial para o público (Imagem: Reprodução/Rich Miner)
Protótipo do Google exibe um celular diferente do HTC Dream com audaciosa cor verde que ficou de fora do lançamento oficial para o público (Imagem: Reprodução/Rich Miner)

Na imagem vemos duas formas de utilizar o Dream no dia a dia: a primeira com o celular na vertical e tela retraída, exibindo corpo brilhante na cor preta e alguns detalhes e ícones em forte tom de verde. A segunda nos mostra o celular na horizontal com tela levantada para revelar o teclado QWERTY completo e uma presença ainda maior da cor de destaque em toda a região interna do teclado.

Notamos a mudança de orientação para os ícones dos quatro botões inferiores, sugerindo que a região acima pudesse ser uma tela, enquanto os botões de e-mail e arroba logo abaixo da tela principal permaneceriam físicos e inalterados — talvez um erro da imagem.

As diferenças entre o protótipo do Google e sua versão final são notáveis, embora seja possível perceber que a ideia principal foi mantida no modelo vendido ao público: quatro botões de ação na parte inferior do corpo e uma tela retrátil com teclado escondido.

HTC Dream/T-Mobile G1 manteve a essência do projeto inicial, mas com design e materiais palatáveis à época de lançamento (Imagem: Reprodução/Canoopsy via YouTube)
HTC Dream/T-Mobile G1 manteve a essência do projeto inicial, mas com design e materiais palatáveis à época de lançamento (Imagem: Reprodução/Canoopsy via YouTube)

Vemos também que a grande roda do projeto Dream foi redesenhada e virou uma esfera centralizada funcionando para interagir de forma mais precisa com a interface do dispositivo.

Embora a ideia original não tenha sido oficializada como o Google esperava, a parceria de fabricação com a HTC e de distribuição com a T-Mobile nos Estados Unidos foi suficiente para consolidar o dispositivo como um dos mais interessantes aparelhos de 2008, pavimentando o futuro do Android nos anos seguintes.

Parceria do Google com HTC resultou no lançamento do Nexus One em 2010 (acima), HTC One Google Edition e primeira geração do Google Pixel em 2016 (Imagem: Reprodução/Google)
Parceria do Google com HTC resultou no lançamento do Nexus One em 2010 (acima), HTC One Google Edition e primeira geração do Google Pixel em 2016 (Imagem: Reprodução/Google)

A parceria do Google com a HTC persistiu com a chegada do Nexus One em 2010 e o lançamento do HTC One Google Edition em 2013, uma versão especial do HTC One com sistema operacional ideal do Google: sem grandes customizações e com garantia de atualizações mais rápidas.

Três anos depois as empresas retornaram em formato inédito com a estreia do primeiro Pixel e Pixel XL, com o Google comandando o design por trás dos smartphones e a HTC fabricando os dispositivos. No ano seguinte, em 2017, o Google finalmente adquiriu parte da divisão móvel da HTC por US$ 1,1 bilhão, estruturando assim o futuro da linha Pixel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: