Mercado fechará em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    119.553,19
    -1.688,45 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.606,99
    -851,03 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,96
    +0,60 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.841,10
    +11,20 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    37.233,84
    +792,11 (+2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    737,92
    +22,73 (+3,18%)
     
  • S&P500

    3.797,41
    +29,16 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    30.962,50
    +148,24 (+0,48%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.931,00
    +128,75 (+1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4495
    +0,0542 (+0,85%)
     

Primeiras vacinas da Moderna contra covid-19 administradas nos EUA

·1 minuto de leitura
Logotipo da empresa Moderna, em Massachusetts

Uma enfermeira de Connecticut, nos Estados Unidos, recebeu diante das câmeras, nesta segunda-feira (21), a vacina da Moderna contra a covid-19, dando a partida na campanha deste novo tratamento aprovado de emergência na sexta-feira.

Mandy Delgado, enfermeira na UTI do hospital de Hartford, disse estar "feliz" por "ser a primeira a receber" essa vacina. 

"Vi pacientes chegarem com falta de oxigênii e como seu estado piorava progressivamente e morriam, sem que sua família pudesse estar presente", disse, pouco antes de ser vacinada. 

O produto da Moderna é administrado em duas doses, injetadas com um intervalo de algumas semanas, assim como a vacina da aliança americana-alemã Pfizer/BioNTech, com a qual começaram a imunizar a população há uma semana. 

Após a aprovação do tratamento da Moderna, estava previsto que começaria a ser utilizado nesta segunda-feira em diferentes pontos dos Estados Unidos. 

As condições menos rigorosas de conservação das vacinas da Moderna devem facilitar para as entidades locais a resposta às necessidades das áreas mais rurais e de difícil acesso, segundo as autoridades americanas. 

As vacinações em público se multiplicaram segunda-feira passada. O objetivo é dissipar as dúvidas de uma parte da população do país, que desconfia da segurança da vacina, apesar de a pandemia deixar cerca de 17,8 milhões de casos e mais de 317.000 mortos nos EUA. 

O vice-presidente Mike Pence recebeu a vacina da Pfizer/BioNTech na sexta-feira, e o presidente eleito Joe Biden está previsto para fazer o mesmo hoje. 

cat/vgr/gma/lda/aa