Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,58
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.727,90
    +4,90 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    48.731,18
    +1.419,42 (+3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,11
    -6,54 (-0,66%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.622,80
    +34,27 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.229,00
    -50,75 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Primeira vacinada no DF diz que momento é de esperança: 'Vamos sair dessa mais fortes'

Adriana Mendes
·2 minuto de leitura
Foto: Fotoarena / Agência O Globo

Emocionada por ser a primeira a ser vacinada no Distrito Federal contra a Covid-19, a enfermeira Lídia Rodrigues Dantas, de 31 anos, tem esperança que tudo irá voltar ao normal. Ela trabalha na emergência do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) há três anos e, desde o início da pandemia, está longe da família.

— Estou muito emocionada de ser a primeira a ser vacinada — disse Lídia Dantas, completando: — Estou feliz, com a esperança no coração de que logo, logo, isso vai passar e a gente vai voltar a viver normalmente. Não doeu nada (a vacina). A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou e tenho certeza que é segura — afirmou a enfermeira depois de receber a primeira dose.

Lídia conta que os últimos dez meses foram de crescimento profissional e pessoal. Também está confiante de que a vacinação vai mudar o panorama da pandemia no Brasil. O Hran, onde trabalha, é um hospital de referência para o tratamento de Covid-19.

— Foi muito intenso. Nós trabalhamos o tempo inteiro, todo mundo fazendo de tudo e vivenciado uma realidade que nós não tínhamos noção. Foi muito pesado perder colegas e estar longe da família. Acredito que agora a gente vai sair dessa mais forte.

A enfermeira teve que sair de casa para garantir a segurança de seus familiares. No início da pandemia passou um período no hotel oferecido pelo governo do DF, mas depois quando acabou o programa resolveu mudar e morar sozinha. Lídia não tem irmãos, mas a mãe está com 60 anos e mora com sua avó.

— Meus planos agora é continuar trabalhando, ainda não acabou. Então a gente tem que continuar na luta — afirmou.

No lançamento da vacinação seis profissionais do hospital receberam a primeira dose da CoronaVac. O público-alvo desta primeira etapa no DF é estimado em cerca de 51 mil pessoas. Serão vacinados profissionais de saúde em contato com pacientes infectados ou com suspeita da Covid-19; trabalhadores das áreas de vigilância, limpeza e administrativo que trabalham em pronto-socorro ou setor de atendimento a infectados; equipes da atenção primária à saúde; servidores no Samu e Corpo de Bombeiros em atendimento pré-hospitalar.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, disse no laçamento que a primeira fase da vacinação deve ser concluída em cinco dias. Ele destacou que é "um momento histórico" e de agradecimento os profissionais de saúde.

— Nós conseguimos superar o ano de 2020 sem que nenhum paciente deixasse de ser atendido, graças ao profissionais de saúde — afirmou Ibaneis.

Além de Lídia também foram vacinados no lançamento da campanha: Karina de Jesus Silva, técnica de enfermagem, 38 anos; Ana Paula Barbosa Pereira, fisioterapeuta, 49 anos; Juliana Bento da Cunha, médica, 32 anos; Narcisa Trajano de Araujo, auxiliar de limpeza, 61 anos e Pedro Teodoro, vigilante, 58 anos.

A vacinação começou em 15 unidades de saúde da rede pública. Apenas no Hospital de Base a imunização não terá início nesta quarta-feira.