Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.087,33
    -5.210,42 (-8,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6904
    -0,0307 (-0,46%)
     

Primeira plataforma de NFT focada em música chega no Brasil

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Vector illustration banner with NTF coins and volcano. Nonfungible  unique cryptocurrency. Bright background horizontal format
Vector illustration banner with NTF coins and volcano. Nonfungible unique cryptocurrency. Bright background horizontal format
  • O NFT é uma espécie de selo de autenticidade digital

  • A ideia da plataforma Phonogra.me é que através dela, qualquer um pode investir em um fonograma

  • Gravadoras também podem monetizar o percentual que elas já possuem sobre produções

O Brasil recebeu sua primeira plataforma de NFTs (tokens não fungíveis) de músicas com o lançamento da Phonogram.me. A proposta da startup é criar uma espécie de bolsa de valores musical. 

O NFT é uma espécie de selo de autenticidade digital. Uma informação diferente gravada em cada ativo NFT o torna um produto diferente dos outros e é por isso que eles não podem ser substituídos e, por isso, tem muita gente vendendo os arquivos digitais como se vende uma obra de arte tradicional.

Leia também:

Investir em fonogramas

A ideia da plataforma Phonogra.me é que através dela, qualquer um pode investir em um fonograma, por exemplo, e receber royalties sempre que ele é reproduzido em qualquer plataforma, similar ao mercado de ações.

Em vídeo institucional, o músico e embaixador da plataforma, André Abujamra, afirma: “É a democratização da indústria fonográfica… A ideia é colocar nas mãos dos criadores, das gravadoras e de quem mais tiver interesse a chance de lucrar com a valorização do seu asset mais importante – a música”. 

Ele também explica que uma vez que se compra parte dos direitos sobre um fonograma, é como se o fã se tornasse “sócio” do artista. Segundo a startup, músicos podem oferecer seu trabalho sem empresas mediando os serviços, trazendo mais liberdade financeira. 

Gravadoras também podem monetizar o percentual que elas já possuem sobre produções através da Phonogram.me. No site, interessados podem se cadastrar na plataforma para participar dos testes.