Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.067,62
    +408,80 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

1ª fábrica de carne cultivada em laboratório do mundo é inaugurada em Israel

·2 minuto de leitura

A startup israelense Future Meat inaugurou a primeira fábrica de carne cultivada do mundo. A instalação, que fica na cidade de Rehovot, no distrito industrial de Israel, tem capacidade para produzir 500 kg de alimentos por dia, aproximadamente 5 mil hambúrgueres de tamanho médio saindo direto do laboratório.

A empresa diz que a carne cultivada gera 80% menos emissões de gases de efeito estufa, usa 99% menos terra para pastagens e consome 96% menos água do que uma produção convencional de carne. Além disso, os executivos garantem que o produto não contém aditivos químicos e é totalmente saudável.

“Nosso objetivo é tornar a carne cultivada acessível para todos em muitos países. Nós queremos manter uma produção com alimentos deliciosos que sejam saudáveis ​​e, ao mesmo tempo, sustentáveis. Isso ajudará a garantir um futuro melhor para as próximas gerações”, afirma o CEO da Future Meat, Rom Kshuk.

Sem abate

Atualmente, a empresa pode produzir carne de frangos, porcos e cordeiros sem utilização de soro animal ou modificação genética. A matéria-prima desses alimentos vem das células cultivadas em laboratório. Em breve, a unidade de Israel também irá fabricar produtos de origem bovina.

Todo o processo de elaboração da carne é cerca de 20 vezes mais rápido do que criar animais e depois abatê-los. Além disso, os custos de produção estão cada vez menores. Segundo dados da empresa, o valor gasto hoje para “fabricar” peitos de frango é de menos de US$ 10 (cerca de R$ 50), mil vezes mais barato do que três anos atrás.

Fabrica de carne cultivada da Future Meat (Imagem: Reprodução/Future Meat)
Fabrica de carne cultivada da Future Meat (Imagem: Reprodução/Future Meat)

“Depois de demonstrar que a carne cultivada pode atingir a paridade de custo mais rápido do que o mercado esperava, esta unidade de produção é a verdadeira virada de jogo para um consumo sustentável de proteína'', celebra o diretor científico da Future Meat, Yaakov Nahmias.

Carne do futuro

O próximo passo da empresa é expandir a produção de carne cultivada para mercados internacionais e promissores. A ideia é chegar às prateleiras dos EUA no próximo ano, já que por lá a demanda por produtos alimentícios feitos com matéria-prima vegetal aumenta anualmente.

A Future Meat também entrou com vários pedidos de aprovação em outros territórios ao redor do mundo. A instalação de novas fábricas e a produção de carne fora do Oriente Médio depende apenas da conclusão dos processos nas agências reguladoras e de investimentos por parte de empresas parceiras.

A sociedade moderna se afasta cada vez mais do consumo de carne de abate, trocando o bom e velho hambúrguer ou aquela peça de picanha, por produtos mais saudáveis e que não exijam o sacrifício de nenhum ser vivo para satisfazer o paladar. Alimentos feitos com vegetais, ou cultivados em laboratório, podem se tornar uma alternativa viável desde que mantenham o princípio básico de serem comidas de verdade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos