Mercado abrirá em 4 h 34 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,43
    +0,04 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.882,90
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    13.223,47
    -18,49 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,10
    -10,59 (-3,88%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.548,96
    -159,84 (-0,65%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.254,75
    +122,00 (+1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7374
    +0,0030 (+0,04%)
     

Previsões econômicas para a Alemanha são sólidas contanto que coronavírus seja contido, diz ministro

·1 minuto de leitura

BERLIM (Reuters) - É improvável que o governo alemão faça mudanças significativas em suas previsões econômicas de outono (no país), disse o ministro da Economia, Peter Altmaier, neste domingo, advertindo que uma falha em conter a pandemia do coronavírus pode significar problemas.

Berlim atualmente espera que o Produto Interno Bruto (PIB) encolha 5,8% em 2020, antes de se recuperar 4,4% no próximo ano.

Mas, disse Altmaier à televisão pública ARD, "isso naturalmente pressupõe que vamos controlar a pandemia, que vamos interromper o rápido aumento das infecções e conseguir voltar à situação que tivemos de maio a agosto".

Embora menos afetada do que grande parte da Europa, a Alemanha tem experimentado uma segunda onda de infecção, com o total diário atingindo um recorde de 7.830 no sábado.

Ecoando apelo da chanceler Angela Merkel aos alemães para reduzir contatos sociais e viagens para retardar a infecção, Altmaier disse que as pessoas precisam fazer maiores esforços para conter a pandemia para que escolas, creches e empresas possam permanecer abertas.

"Se não baixarmos os números, enfrentaremos problemas maiores", disse Altmaier.

(Por Douglas Busvine)