Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.844,44
    -45,45 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,73
    +365,73 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,09
    +1,00 (+0,88%)
     
  • OURO

    1.857,00
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    28.816,04
    -575,32 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    624,54
    -4,96 (-0,79%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.649,75
    +370,50 (+3,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0840
    -0,0340 (-0,66%)
     

Prévia da inflação de abril é a maior para o mês desde 1995

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Alimentos e combustíveis continuam pesando na inflação
Alimentos e combustíveis continuam pesando na inflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) – considerado uma prévia da inflação oficial do país – ficou em 1,73% em abril, a maior taxa para o mês desde 1995. Em março, esse número ficou em 0,95%.

A gasolina foi a principal responsável pela aceleração da inflação em abril, com alta de 7,5%. Diesel (13,11%) e etanol (6,6%) também colaboraram.

Um setor que também teve seus preços bem reajustados foi a das passagens aéreas. Se em março elas recuaram em 7,55%, em abril subiram 9,43%.

Os preços do seguro de veículo (3,03%) aceleraram pelo oitavo mês consecutivo, acumulando 23,46% de variação nos últimos 12 meses.

Alimentos e gás

Encher o carrinho do mercado está cada vez mais difícil para o brasileiro. E alguns alimentos pesam mais na hora de pagar a conta. Na prévia de abril da inflação, o tomate teve seu preço reajustado em 26,1%, lente longa vida (12,2%) e cenoura (15%).

E cozinhar esses alimentos também ficou mais caro, já que o botijão viu seu preço crescer, em média, 8%.

Inflação fora da meta

Segundo projeções do mercado, a inflação de 2022 deve fechar em 7,65%, mais que o dobro da meta acertada para este ano, mas abaixo dos 10% do ano passado.

Caso se confirme, será o segundo ano seguido que o Banco Central terá que explicar por que não conseguiu atingir a meta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos