Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,90
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.835,80
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.806,52
    -2.339,39 (-4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.474,87
    -86,43 (-5,54%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.238,40
    -279,94 (-0,95%)
     
  • NASDAQ

    13.342,00
    -14,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3589
    +0,0187 (+0,29%)
     

Pressionar a China com reformas comerciais não vai funcionar, diz chefe da OMC

Philip Blenkinsop
·2 minuto de leitura
Diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala

Por Philip Blenkinsop

BRUXELAS (Reuters) - É mais provável que a China coopere com as reformas comerciais globais se não se sentir alvo de outras potências internacionais, afirmou a chefe da Organização Mundial do Comércio (OMC) nesta segunda-feira.

Ansiosos com as poderosas empresas estatais da China, os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão estão pressionando por restrições aos subsídios industriais que, segundo eles, distorcem a economia global.

No entanto, suas propostas requerem aprovação unânime dos 164 membros da OMC, incluindo a China. Eles também argumentam que a China não deve mais se beneficiar das concessões aos países em desenvolvimento, uma vez que está em vias de se tornar a maior economia do mundo.

"Também temos que mostrar que a China não está sendo alvo... Quando a China sente que está sendo alvo, e só a China, você encontra muita resistência", disse a diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, em uma conferência organizada pela Comissão Europeia.

"As negociações que tive com a China foram muito construtivas e acho que se colocarmos os fatos sobre a mesa, sobre as repercussões negativas de tais subsídios industriais e compartilharmos com a China, eles estarão dispostos a olhar para isso."

Pequim deve estar ciente de que suas políticas não afetam apenas os países ricos que estão reclamando, mas também os países em desenvolvimento, disse a diretora da OMC.

A China seria mais receptiva, disse ela, se visse a OMC tratando de outros tipos de subsídios. Pequim quer restringir os subsídios para a agricultura, predominantes em mercados desenvolvidos e emergentes de grande porte, muitas vezes prejudicando os países pobres.

Okonjo-Iweala disse que os subsídios agrícolas globais giram em torno de 1 trilhão de dólares por ano e podem chegar a 2 trilhões de dólares em 2030.

Ela disse que a OMC agora está trabalhando com o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico em um estudo sobre subsídios em geral para "colocar alguns fatos objetivos na mesa".

(Por Philip Blenkinsop)