Mercado fechado

Pressão de Trump em Suprema Corte pode fragilizar republicanos

Laura Litvan e Steven T. Dennis
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quer que o nome escolhido para a Suprema Corte seja confirmado antes da eleição de 3 de novembro, o que aumenta a pressão sobre republicanos do Senado e sobre o líder da maioria, Mitch McConnell.

Trump disse na segunda-feira que nomeará um substituto para a juíza Ruth Bader Ginsburg, que faleceu na sexta-feira, até o fim da semana. Trump quer que a decisão seja seguida rapidamente por audiências e por uma votação de confirmação antes das eleições presidenciais. O presidente americano alertou que qualquer republicano que o desafiar pagará nas urnas.

“A votação, a votação final, deve ser realizada com franqueza antes das eleições, temos muito tempo para isso”, disse à Fox News, referindo-se à eleição para decidir o controle da Casa Branca e do Congresso daqui a 43 dias. “Se você tem o Senado, se você tem os votos, você pode fazer o que quiser, desde que você tenha.”

Realizar o que provavelmente serão rancorosas audiências de confirmação e uma votação para substituir Ginsburg antes das eleições presidenciais poderia gastar um tempo crucial que poderia ser gasto em campanha. Também levaria candidatos vulneráveis dos chamados “swing states” - onde nem republicanos nem democratas têm maioria - a um voto contencioso antes do dia da eleição. Mas se os democratas tirarem os republicanos do poder, isso poderia mudar os cálculos da votação no Senado, e os democratas já falam em retaliação.

McConnell prometeu uma votação sobre o indicado de Trump, mas não definiu um cronograma. Prosseguir com a análise, audiências e confirmação em menos de 40 dias seria um feito atípico.

“Para fazer isso antes do dia da eleição, tudo tem que funcionar, acho, muito precisamente”, disse o senador do Missouri, Roy Blunt, membro da liderança do Partido Republicano, em entrevista ao programa “Face the Nation” da CBS.

Os republicanos do Senado, que têm a maioria da casa por 53-47, estão na defensiva nesta eleição. Existem 10 assentos no Senado atualmente controlados pelo Partido Republicano que são considerados competitivos, e três deles são ocupados por membros do Comitê Judiciário, incluindo a presidente Lindsey Graham, da Carolina do Sul.

Trump argumentou na segunda-feira que avançar ajudaria os candidatos republicanos. “Acho que vai ajudar a todos”, disse à Fox News.

Os democratas já tiveram uma ligeira vantagem em sua tentativa de assumir o controle do Senado pela primeira vez em seis anos e estão usando a disputa pela confirmação para pressionar republicanos vulneráveis.

“Vamos deixar claro que qualquer republicano que concorra neste ano deve entender que será responsabilizado nas urnas se apoiar este roubo do assento na Suprema Corte”, disse o senador democrata Ed Markey, de Massachusetts, em entrevista à rádio Bloomberg.

O candidato presidencial democrata, Joe Biden, implorou aos senadores republicanos para não se apressarem na escolha de um novo juiz.

“Esfriem as chamas que têm engolfado nosso país”, disse Biden no domingo na Filadélfia. “Não podemos continuar reescrevendo a história, bagunçando normas e ignorando nosso sistema de freios e contrapesos.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.