Mercado fechará em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    112.876,01
    +1.586,83 (+1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.235,86
    +198,81 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,48
    +0,13 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.792,80
    -36,90 (-2,02%)
     
  • BTC-USD

    36.513,64
    -1.813,80 (-4,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    837,12
    +17,62 (+2,15%)
     
  • S&P500

    4.383,22
    +33,29 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    34.534,11
    +366,02 (+1,07%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.290,25
    +131,75 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0507
    -0,0557 (-0,91%)
     

Pressão por mais restrições aumenta na Alemanha conforme ômicron se espalha

·2 min de leitura

BERLIM (Reuters) - Vários líderes políticos alemães pediram neste domingo por restrições mais rígidas para conter um aumento nos casos de coronavírus em meio ao novo recorde na taxa de infecções e a temores sobre a nova variante ômicron.

Após a detecção de dois casos de ômicron no Estado da Bavária, no sul do país, no sábado, um oficial do Estado de Hesse disse que foi confirmado um caso suspeito em um passageiro que chegava da África do Sul.

"O sequenciamento confirmou o resultado --o caso suspeito que foi tornado público ontem de manhã é a variante do ômicron", tuitou Kai Klose, ministro de Assuntos Sociais de Hesse.

As restrições às viagens aéreas da África do Sul entraram em vigor neste domingo, depois de o país ter sido classificado como uma área com variante do vírus.

Isso significa que as companhias aéreas só podem embarcar alemães da África do Sul para a Alemanha e mesmo aqueles que forem vacinados devem passar 14 dias em quarentena.

A nova variante causou alarme na Alemanha que, como muitos outros países europeus, está lutando para conter uma quarta onda da pandemia de coronavírus.

O país registrou 44.401 novos casos neste domingo, de acordo com o Instituto Robert Koch de doenças infecciosas, e a incidência de 7 dias atingiu um recorde de 446,7 por 100.000 residentes.

Mais de 100.000 pessoas morreram com o coronavírus na Alemanha desde o início da pandemia.

O primeiro-ministro do Estado da Bavária, Markus Soeder, demandou medidas drásticas. "Infelizmente, para proteger nosso sistema de saúde, precisamos desacelerar mais nosso país", disse Soeder ao jornal Augsburger Allgemeine.

A quarta onda chegou no momento em que a conservadora Angela Merkel se prepara para entregar a chancelaria a uma nova coalizão tripartite a ser liderada pelos Social-Democratas (SPD), tornando mais difícil para ela insistir em novas restrições.

Cabe principalmente às regiões decidir quais medidas introduzir e uma reunião dos líderes estaduais com a chanceler está marcada para 9 de dezembro.

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, disse que os cidadãos devem limitar seus contatos. Ele também pediu que mais pessoas fossem vacinadas. Apenas cerca de 68% da população de cerca de 83 milhões de pessoas está totalmente vacinada.

(Por Madeline Chambers)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos