Mercado fechará em 4 h 51 min
  • BOVESPA

    107.869,76
    -67,35 (-0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,76
    +0,45 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.545,47
    +3.234,29 (+9,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    830,27
    +19,67 (+2,43%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.360,38
    +63,23 (+0,87%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.213,00
    -288,00 (-1,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2004
    -0,0283 (-0,45%)
     

Preso suspeito de ser o responsável pela contabilidade da milícia de Zinho, na Zona Oeste do Rio

·2 min de leitura

RIO — Policiais da Polinter e do Departamento Geral de Polícia Especializada prenderam, nesta terça-feira, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, Antônio Lúcio Fernandes Forte, o Antônio das Casinhas, de 39 anos. Ele é suspeito de ser o responsável pela contabilidade e pela lavagem do dinheiro obtido pela exploração de negócios irregulares da milícia de Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho.

Antônio estava com a prisão decretada pelo Tribunal de Justiça do Rio. Ele foi localizado e preso dentro de uma casa, em Campo Grande, após três meses de investigação. A polícia encontrou, no interior da residência, uma pistola Glock calibre 45, munição, carregadores, cadernos de contabilidade da milícia, fardas camufladas e rádios de comunicação.

Segundo a polícia, Antônio das Casinhas chegou a abrir uma empresa no ramo de administração e de segurança de condomínios, além de atuar também com construção civil. De acordo com as investigações, a quadrilha paramilitar obrigava moradores a contratarem a empresa do suspeito.

De acordo com informações obtidas pela polícia, Antônio teve um mandado de prisão expedido em seu nome após ter sido condenado a uma pena seis anos de prisão por crime de porte irregular de arma de uso restrito, corrupção de menores, extorsão e organização criminosa.

Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, está com a prisão decretada pela Justiça. Ele substiuiu o irmão Wellington da Silva Braga, o Ecko, que morreu em junho numa troca de tiros com policiais, no comando de uma das principais milícias do Rio. Além de Zinho, a polícia também tenta capturar Danilo Dias Lima, o Danilo Tandera.

Este último é responsável por comandar um grupo paramilitar que disputa a exploração de negócios irregulares com a milícia de Zinho, em parte da Zona Oeste do Rio, e em pontos de Nova Iguaçu, Seropédica e Itaguaí, na Baixada Fluminense.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos