Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.441,70
    +1.045,17 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Preso por pirâmide com Bitcoin não mostra remorso – “sou um bom homem”

·2 minuto de leitura
Homem segurando o Bitcoin e rindo
Homem segurando o Bitcoin e rindo

Um homem que foi preso após participar de uma pirâmide financeira com a imagem do Bitcoin na Argentina não mostra remorso por suas atividades.

Reconhecidas em todo o mundo como uma fraude financeira, as pirâmides consistem em esquemas de recrutamento de novos investidores, com a prática chamada de marketing multinível.

Ao entrar um novo investidor, os antigos são pagos com esse dinheiro novo, tornando estes negócios totalmente insustentáveis com o passar do tempo. Para justificar o negócio os estelionatários por trás do esquema associam a imagem de algum produto, em busca de dar a sensação de um negócio para a fraude.

No Brasil alguns dos exemplos são Fazendas Boi Gordo, Avestruz Master, Telexfree, entre outras mais que já foram criadas. Outras acabaram usando a imagem do Bitcoin, como a OneCoin, Unick Forex, Indeal.

Preso por pirâmide com a imagem do Bitcoin não mostra remorso

No final de dezembro de 2020, a polícia argentina prendeu oito pessoas por fraudes de investimentos no mercado financeiro local. Um dos presos foi Edgar Moreno, um famoso locutor de rádio e jornalista do país, ele aproveitou sua influência na mídia para promover o negócio que causou prejuízo estimado em U$$ 10 bilhões em todo o mundo.

Chamado OneCoin, o golpe foi cometido por Ruja Ignatova, que segue foragida ainda hoje. Esse golpe alcançou redes no Brasil e também na Argentina, com pessoas que nunca mais deverão recuperar seus investimentos.

No caso de Edgar, ele concedeu uma entrevista para o portal argentino Suquia, após seguir na cadeia há mais que nove meses. Durante os anos de funcionamento da OneCoin, ele teria divulgado o golpe na Argentina e Panamá, captando muitos clientes para essa pirâmide.

Questionado sobre o que teria acontecido com ele, que acabou sendo preso, o homem se mostrou surpreso e não reconheceu que participou do golpe.

“A pessoa que mais se surpreendeu com a minha prisão fui eu. Quem me conhece pessoalmente sabe que sou um bom homem e um empresário, não um criminoso ou golpista.”

Em sua defesa, Moreno afirmou até que sua prisão e dos outros promotores da OneCoin na Argentina é um abuso de justiça, visto que eles são pessoas corretas e nem passagem policial tinham antes da prisão.

Após a captura de Moreno e mais sete pessoas, a polícia local já efetuou novas prisões no caso, que segue investigado pelas autoridades. A OneCoin pode ter deixado só na Argentina um rastro de prejuízo que passa os milhões, mas os golpistas presos não mostram remorso por participar da fraude.

O caso ilustra bem que quando uma pirâmide acaba, os líderes também acabam sendo culpados, com a prisão sendo um dos destinos de quem comete fraudes financeiras contra pessoas e suas famílias.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos