Mercado fechado

Preso por engano em blitz da PM, violoncelista da Orquestra da Grota é solto

Giovanni Mourão
·1 minuto de leitura
O músico Luiz Carlos Justino, preso por engano no Centro de Niterói na última quarta-feira, foi solto neste domingo
O músico Luiz Carlos Justino, preso por engano no Centro de Niterói na última quarta-feira, foi solto neste domingo

RIO - O músico Luiz Carlos Justino, preso por engano no Centro de Niterói na última quarta-feira, foi solto neste domingo, ao meio-dia. Mesmo após alvará de soltura expedido pelo plantão judiciário na noite deste sábado, ele foi transferido do Complexo Penitenciário de Benfica para o Complexo de Guaxindiba, em São Gonçalo.

Segundo a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), Luiz permaneceu preso pois ainda aguardava-se o recebimento oficial do alvará de soltura. Ele foi preso na noite da última quarta-feira após agentes em uma abordagem policial deduzirem, equivocadamente, ser ele o autor de um roubo ocorrido em 2017.

Luiz tem 23 anos, é negro, violoncelista e integra a Orquestra da Grota, em Niterói, desde os 6 anos de idade. Ele conta que, quando parou na blitz da PM, os militares informaram que havia um mandado de prisão contra ele por um assalto à mão armada cometido em 2017, no bairro da Vila Progresso. Entretanto, no momento do suposto crime cometido por ele, Luiz estava trabalhando no padaria Le Dépanneur, em Piratininga, pelo projeto Café Musical.