Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.805,98
    -486,23 (-1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Presidentes de gigantes do ecommerce recebem alerta da Anatel sobre produto pirata

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os presidentes das maiores varejistas do comércio eletrônico do país, como Magalu, Mercado Livre, Carrefour, Americanas e outras cerca de 15 empresas, vão receber um alerta da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para o combate à pirataria. O órgão estuda endurecer as medidas sobre os marketplaces que abriguem ofertas de produtos de terceiros que não passaram pelo processo de homologação e verificação técnica oficial do regulador, como celular, carregador e decodificador de TV pirateados.​

No comunicado, que foi enviado aos executivos nesta sexta (21), a agência recomenda que as empresas donas de marketplaces imediatamente adotem medidas e tecnologias capazes de impedir a oferta de produtos de telecomunicação irregulares em suas plataformas.

O escrutínio da Anatel sobre os marketplaces, como são chamados esses shoppings virtuais das gigantes varejistas, vai focar os parâmetros de segurança dos consumidores e de direitos autorais, que leva prejuízo aos produtores de conteúdo, como as plataformas de TV por assinatura.

O recado aos chefes das varejistas foi literal. Para ilustrar a gravidade da situação, a Anatel relembrou tragédias de consumidores que se feriram ou morreram por choque elétrico usando celulares e baterias irregulares. ​

Dentro da agência, a avaliação é que o combate à venda de produto pirata em marketplaces é um trabalho mais sofisticado do que a apreensão no comércio físico informal. Por isso é preciso contar com o engajamento dos responsáveis pelas empresas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos