Mercado abrirá em 5 h 46 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.874,20
    +7,70 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    34.627,25
    -35,37 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    685,56
    +5,66 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.990,62
    +28,15 (+0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.730,21
    +206,95 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    13.379,25
    +85,00 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    +0,0097 (+0,15%)
     

Presidente do Twitter diz que banir Trump foi decisão correta, mas abre precedente perigoso

Kanishka Singh e Katie Paul
·2 minuto de leitura
Ilustração de logotipo do Twitter

Por Kanishka Singh e Katie Paul

BANGALORE, Índia (Reuters) - O presidente-executivo do Twitter, Jack Dorsey, disse na quarta-feira que banir Donald Trump da plataforma de mídia social após a invasão ao Capitólio na semana passada foi a "decisão certa", mas disse que ação criou um precedente perigoso.

O Twitter apagou na semana passada a conta de Trump, que tinha 88 milhões de seguidores, citando o risco de mais violência após os atos de violência contra o Congresso dos EUA por apoiadores de Trump.

"Ter que tomar essas medidas fragmenta o debate público”, disse Dorsey no Twitter. "Elas nos dividem. Elas limitam o potencial de esclarecimento, redenção e aprendizado. E estabelece um precedente que considero perigoso: o poder que um indivíduo ou empresa tem sobre uma parte do debate público global."

A ação do Twitter recebeu críticas de alguns republicanos, que disseram que ela suprimiu direito de Trump à liberdade de expressão. A chanceler alemã, Angela Merkel, também alertou, por meio de um porta-voz, que os parlamentares, e não as empresas privadas, devem decidir sobre possíveis restrições à liberdade de expressão.

Em sua conta no Twitter, Dorsey disse que embora não se orgulhe da proibição, "o dano offline como resultado do discurso online é comprovadamente real, e o que impulsiona nossa política e sua aplicação acima de tudo".

Mesmo assim, ele acrescentou: "Embora haja exceções claras e óbvias, acho que uma proibição é uma falha nossa em promover um debate saudável."

O Twitter introduziu uma série de medidas ao longo do ano passado, como rótulos, advertências e restrições de distribuição para reduzir a necessidade de decisões sobre a remoção total de conteúdo do serviço.

Dorsey disse acreditar que essas medidas podem promover conversas online mais frutíferas ou "saudáveis" e diminuir o impacto do mau comportamento.

Apoiadores de Trump, que repetidamente fez afirmações infundadas questionando a vitória do democrata Joe Biden na eleição de novembro, invadiram o Capitólio dos EUA na quarta-feira, tentando impedir a certificação pelo Congresso da vitória de Biden no Colégio Eleitoral.

Na quarta-feira, Trump se tornou o primeiro presidente na história dos Estados Unidos a sofrer dois processos de impeachment.

(Por Kanishka Singh e Katie Paul)