Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,18
    +1,69 (+2,43%)
     
  • OURO

    1.780,30
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    51.288,40
    +3.839,99 (+8,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.325,96
    +65,80 (+5,22%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.312,05
    +79,77 (+1,10%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.112,75
    +270,00 (+1,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4259
    +0,0023 (+0,04%)
     

Presidente de Taiwan confirma presença de militares dos EUA na ilha

·4 min de leitura

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, confirmou nesta quinta-feira (28) que soldados americanos estão na ilha para treinar as forças locais, informação antecipada no início do mês pelo jornal The Wall Street Journal, segundo o qual mais de 20 membros de operações especiais dos Estados Unidos e um contingente de fuzileiros navais estão há mais de um ano em território taiwanês.

Em entrevista à rede americana CNN, Tsai afirmou que "há uma ampla cooperação com os EUA com o objetivo de aumentar a capacidade de defesa [de Taiwan]". Questionada sobre a quantidade de militares, disse apenas que "não eram tantos quanto as pessoas pensavam".

A confirmação vem no momento em que a China, que considera a ilha uma província rebelde, tem aumentado a pressão militar sobre Taiwan -na primeira semana de outubro, Pequim realizou a maior incursão aérea de sua história contra as defesas de Taipé, escalando a pressão militar sobre a ilha autônoma.

"Não deve haver absolutamente nenhuma ilusão de que o povo taiwanês se curvará à pressão", disse Tsai durante pronunciamento público em 10 de outubro, quando é celebrado o Dia Nacional taiwanês. Na véspera, o líder chinês, Xi Jinping, havia dito que o separatismo da ilha "é o maior obstáculo para alcançar a reunificação da pátria mãe e o perigo oculto mais sério para o rejuvenescimento nacional".

À CNN a presidente apelou a parceiros regionais, como Japão, Coreia do Sul e Austrália, por apoio à ilha. "Quando os regimes autoritários demonstram tendências expansionistas, os países democráticos devem se unir para enfrentá-los, e Taiwan está na linha de frente."

Tsai acrescentou que as tentativas de fortalecer as forças militares da ilha não significam o abandono da vontade de melhorar as relações diplomáticas com Pequim e que sentaria com Xi para conversar -se ele quiser. "Dissemos repetidamente que queremos ter um diálogo com a China e que esta é a melhor maneira de evitar mal-entendidos e erros de julgamento nas relações."

Questionado por repórteres sobre os comentários da presidente, o ministro de Defesa da ilha, Chiu Kuo-cheng, tentou colocar panos quentes. Disse que as forças americanas não estão permanentemente baseadas em Taiwan, ainda que as interações militares com Washington sejam "muito numerosas e frequentes" e venham sendo realizadas há muito tempo.

Washington retirou suas forças com base permanente em Taiwan quando cortou relações diplomáticas com Taipé em favor de Pequim no ano de 1979. Como a maioria dos países, os EUA não têm laços diplomáticos formais com Taiwan, mas são o aliado internacional mais importante da ilha, com cooperações informais, como a militar.

A China prontamente criticou a confirmação da presença americana na ilha. "Nos opomos firmemente a qualquer forma de intercâmbios oficiais e contatos militares entre EUA e Taiwan", disse o porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin. E seguiu: "Os EUA não devem subestimar a forte determinação do povo chinês em defender sua soberania e integridade nacional."

Analistas chineses ouvidos pelo jornal South China Morning Post, de Hong Kong, descreveram a confirmação da presença de tropas americanas como uma vontade da ilha de deixar claro para as comunidades internacional e doméstica a parceria estratégica com os EUA, mas também alertaram que isso deve acrescentar uma camada de tensão na relação com Pequim.

Ex-instrutor do ELP (Exército de Libertação Popular da China) e hoje comentarista de assuntos militares, Song Zhongping entende que o anúncio da presidente foi uma séria provocação a Pequim, mas que o ELP não deve agir precipitadamente na disputa que trava com os americanos. "Essa é uma provocação política e militar, e é provável que a China intensifique os preparativos para uma luta militar com os EUA."

Wang Kung-yi, diretor do think tank Taiwan International Strategy Study Society, avalia que a mensagem de Tsai serviu como uma espécie de xeque-mate para os EUA quanto ao uso da política de "ambiguidade estratégica" -por meio dessa abordagem, Washington não contesta formalmente a alegada soberania de Pequim em relação a Taiwan, mas se diz comprometida a garantir que a ilha possa se defender.

"Tsai achou que deveria ser a hora de transformar gradualmente a ambiguidade em clareza, o que ela acreditava que ajudaria a promover a segurança de Taiwan", disse Wang.

Na última semana, o presidente americano, Joe Biden, disse que "têm um compromisso" em defender Taiwan. Dias antes, Washington havia confirmado a realização de um exercício militar junto ao Canadá no Estreito de Taiwan.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos