Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.303,39
    -1.045,04 (-2,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Presidente de rede social Parler é demitido

Elizabeth Culliford e Katie Paul
·1 minuto de leitura
Captura de tela de rede social Parler feita em 16 de janeiro

Por Elizabeth Culliford e Katie Paul

(Reuters) - O conselho de administração do Parler, uma plataforma de mídia social apoiada pela doadora do Partido Republicano Rebekah Mercer e adotada pelos conservadores dos Estados Unidos, demitiu seu presidente-executivo John Matze, disse ele na noite de quarta-feira.

Matze confirmou a demissão para a Reuters, após ter sido relatada originalmente pela Fox News, e disse que não recebeu indenização.

"Em 29 de janeiro de 2021, o conselho da Parler controlado por Rebekah Mercer decidiu encerrar imediatamente minha posição como presidente-executivo do Parler. Eu não participei dessa decisão", disse Matze em comunicado enviado à equipe da rede social.

"Nos últimos meses, encontrei uma resistência constante à minha visão de produto, minha forte crença na liberdade de expressão e minha visão de como o site Parler deve ser administrado."

Ele disse à Reuters que a Parler agora tem um "comitê executivo" composto por Matthew Richardson e Mark Meckler.Mercer, Richardson, Meckler e o Parler não comentaram o assunto.

O Parler permanece praticamente offline depois que a Amazon parou de prestar serviços de hospedagem para o site e Apple e Google retiraram o aplilcativo de suas lojas. O desligamento ocorreu após o ataque ao Congresso dos Estados Unidos por apoiadores de Donald Trump em 6 de janeiro.

Grupos de extrema direita disseminaram uma violenta retórica na plataforma antes do ataque em Washington.

O Parler, serviço em que o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos têm contas, foi fundado em 2018 e afirma ter mais de 12 milhões de usuários. A rede social se autodenomina como espaço "voltado para a liberdade de expressão".