Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,91
    -0,45 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.824,10
    -5,80 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    35.975,80
    +272,87 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,08
    -34,06 (-4,63%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.624,61
    +50,75 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.326,76
    -192,42 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.759,50
    -42,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3857
    -0,0069 (-0,11%)
     

Presidente do Parler diz que rede social pode não voltar mais para o ar

Elizabeth Culliford
·1 minuto de leitura

Por Elizabeth Culliford

(Reuters) - A plataforma de mídia social Parler, que saiu do ar depois que a Amazon.com parou de hospedar o site acusado de ser usado por simpatizantes de Donald Trump e por integrantes dos grupos que invadiram o Capitólio na semana passada, pode não voltar mais, disse o presidente-executivo da empresa, John Matze.

Muitos fornecedores de serviços para a rede social cortaram relações com o Parler, onde o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos mantêm contas, após a violência registrada em Washington na semana passada, disse Matze.

"Pode ser nunca", disse ele se referindo a quando a rede social poderia voltar a operar. "Não sabemos ainda."

A rede social informou em um processo judicial que tem mais de 12 milhões de usuários. Matze disse que o Parler estava falando com mais de um provedor de serviços de computação em nuvem, mas se recusou a divulgar nomes, citando probabilidade de assédio para as empresas envolvidas.

Segundo o executivo, a melhor coisa seria se Parler pudesse voltar pela Amazon. A rede social abriu na segunda-feira uma ação contra a Amazon, classificada pela companhia como sem mérito. "É difícil saber quantas empresas estão dizendo que não podem mais fazer negócios conosco", disse Matze, acrescentando que o Parler está considerando processar outros fornecedores.