Mercado abrirá em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,69
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.726,10
    +3,10 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    49.125,78
    +1.683,77 (+3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,02
    +1,37 (+0,14%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.619,92
    +31,39 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.224,00
    -55,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Presidente mexicano diz que Rússia fornecerá 24 milhões de doses da Sputnik V ao México

·1 minuto de leitura
Presidente mexicano diz que Rússia fornecerá 24 milhões de doses da Sputnik V ao México

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - A Rússia fornecerá 24 milhões de doses da vacina Sputnik V contra Covid-19 ao México durante os próximos dois meses, disse o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, após ligação telefônica nesta segunda-feira com Vladimir Putin.

A promessa do presidente russo marca uma aumento expressivo da meta anterior de 7,4 milhões de doses até março, embora haja dúvidas sobre a capacidade da Rússia de manter a produção.

López Obrador conversou com Putin por telefone apesar de ter anunciado no domingo que ele próprio havia sido infectado com Covid-19 e estava sendo tratado para sintomas moderados.

Durante os primeiros três meses deste ano, dezenas de milhões de doses devem chegar ao México vindas do Gamaelya Center, desenvolvedor da Sputnik V, assim como da CanSino Biologics Inc, da China, da britânica AstraZeneca e da Pfizer.

O órgão sanitário regulador do México ainda não aprovou a Sputnik V, apesar de ter prometido um processo rápido depois de uma autoridade sênior da Saúde ter recebido os dados clínicos durante uma visita à Argentina.

(Reportagem de Diego Oré e David Alire Garcia)

((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447764))

REUTERS PAL