Mercado abrirá em 5 h 48 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,56
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.890,80
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    22.604,63
    -594,77 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,59
    -16,30 (-3,04%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.498,20
    +214,68 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    27.630,58
    +24,12 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    12.591,25
    +46,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5798
    +0,0124 (+0,22%)
     

Presidente do IBGE é exonerado, e diretor assume de maneira interina

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O economista Eduardo Rios Neto foi exonerado do cargo de presidente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), conforme portaria publicada em edição do Diário Oficial da União na segunda-feira (2).

Nesta terça (3), o instituto afirmou que Rios Neto será substituído pelo atual diretor de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, até a nomeação de um novo presidente.

Assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Rui Costa, a portaria também confirma a exoneração de Marise Maria Ferreira da função de diretora da diretora-executiva do IBGE e a dispensa de Rose Mary Rodrigues, diretora-adjunta.

As mudanças ocorrem no momento em que o IBGE tenta finalizar a coleta do Censo Demográfico 2022. Iniciada em agosto, a operação censitária estava prevista para terminar em outubro.

Porém, o instituto alega que encontrou dificuldades para contratar e manter em campo os recenseadores. Com isso, a estimativa para o fim da coleta foi atualizada para janeiro deste ano.

Ou seja, o trabalho levará no mínimo seis meses, o dobro do prazo inicial (três meses).

Rios Neto assumiu a presidência do IBGE em abril de 2021, após Susana Cordeiro Guerra, primeira presidente do instituto no governo Jair Bolsonaro (PL), pedir demissão.

A saída de Guerra ocorreu depois do anúncio de corte de quase 90% no orçamento do Censo, que estava previsto inicialmente para 2020.