Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.052,17
    -1.241,48 (-1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Presidente francês recebe chefe da diplomacia dos EUA após crise dos submarinos

·2 minuto de leitura
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken (AFP/Patrick Semansky)

O presidente francês, Emmanuel Macron, recebeu nesta terça-feira (5) em Paris o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, para preparar as "decisões concretas" para superar a crise dos submarinos entre os dois aliados.

A longa reunião em Paris, que não estava prevista na agenda, deve "contribuir para restaurar a confiança entre França e Estados Unidos", após essa inédita crise que começou em meados de setembro, informou o Eliseu.

O anúncio de uma aliança estratégica no Indo-Pacífico entre Estados Unidos, Austrália e Reino Unido para contra-atacar a China, que envolveu a anulação da compra por Canberra de submarinos franceses, desencadeou a ira de Paris.

A França convocou seus embaixadores na Austrália e nos Estados Unidos para consultas, mas após uma conversa com o presidente americano Joe Biden para reduzir a tensão, Macron decidiu o retorno de seu embaixador para Washington.

Segundo a Presidência francesa, com a reunião com Blinken, ambos os países "continuam com seus esforços de coordenação nos grandes desafios de interesse comum, seja na cooperação UE-Otan, no Sahel ou no Indo-Pacífico".

Uma fonte diplomática francesa assegurou que os americanos levam a sério a irritação do aliado e não se limitam a uma "terapia de abraços".

De acordo com um alto funcionário americano, houve um consenso sobre "reforçar a coordenação" entre os dois países, embora "seja muito difícil identificar as decisões concretas" a serem tomadas na cúpula entre ambos os presidentes em outubro na Europa.

A visita do chefe da diplomacia americana em Paris foi menos calorosa que no passado. Seu homólogo francês, Jean-Yves Le Drian, mal falou com ele devido ao seu encontro anterior na chancelaria.

Para mostrar que a França não está isolada, Le Drian conversou na segunda-feira com seus pares da Alemanha, Espanha e Polônia, assim como com o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell.

"Essa crise coloca em jogo os interesses de todos os europeus sobre o funcionamento de nossas alianças e o compromisso dos europeus no Indo-Pacífico", segundo uma fonte diplomática francesa.

O chefe da diplomacia americana também deve participar nesta terça e quarta-feira de uma reunião ministerial da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) em Paris, antes de viajar ao México em 8 de outubro.

fff-vl/tjc/mb/aa/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos