Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.932,46
    -7.355,64 (-11,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Presidente do Eurogrupo defende ajuda fiscal mesmo após crise

Viktoria Dendrinou
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os governos da zona do euro devem estar prontos para manter o apoio emergencial às suas economias, mesmo após o pior da crise de coronavírus, de acordo com a autoridade que lidera as reuniões dos ministros das Finanças da região.

Em entrevista antes da reunião virtual na segunda-feira, Paschal Donohoe alertou que a região monetária exigirá ajuda contínua à medida que recupera o terreno perdido para atingir seus níveis de crescimento pré-pandemia.

“Será necessário que a área do euro e os ministros das Finanças continuem a apoiar nossas economias além da emergência aguda de grande parte do ano passado e partes deste ano”, disse o presidente do Eurogrupo em entrevista. “O risco e as consequências de cortar o suporte muito cedo são atualmente maiores do que os riscos de retirar o suporte muito tarde.”

Donohoe, que também é ministro das Finanças da Irlanda, falou antes da reunião que deve resultar na promessa de manter a política fiscal de apoio na região ao longo do próximo ano, e apenas gradualmente diminuir o suporte a empresas e trabalhadores.

Tal compromisso ajudaria a cimentar mais ajudas que já somaram cerca de 8% do produto interno bruto da zona euro em 2020, juntamente com um novo fundo de estímulo e linhas de liquidez equivalentes a cerca de 20% do PIB. Para permitir esse apoio, a Comissão Europeia sinalizou neste mês que estenderá a suspensão das regras que limitam o endividamento ao longo do próximo ano.

Ao mesmo tempo em que mantêm a ajuda fiscal, os ministros das Finanças também analisam como mudar de medidas abrangentes para outras mais direcionadas, e como isso afetará algumas áreas como turismo mais do que outras como manufatura. O perigo é que o fim das ajudas às empresas leve ao aumento de insolvências corporativas, demissões e empréstimos duvidosos.

Agilidade

Donohoe disse que os governos precisarão se concentrar em três fatores que podem variar entre os setores: consequências no emprego, estresse financeiro e o impacto das medidas de saúde pública que podem permanecer em vigor a médio prazo.

“Um dos princípios que o Eurogrupo vai reconhecer é a necessidade de agilidade e de reconhecer que, neste momento, existem setores onde o emprego voltará a crescer”, afirmou. “Mas é provável que possam ser muito diferentes de onde estavam em comparação com a era pré-pandemia.”

O ministro das Finanças diz que um dos desafios é que as medidas que atualmente ajudam as empresas a sobreviver têm reduzido as ameaças do setor financeiro, então o efeito de retirá-las ainda não pode ser totalmente estimado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.