Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,49
    -0,14 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.785,40
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    57.125,53
    +2.339,01 (+4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.467,76
    +62,46 (+4,44%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.647,97
    +229,99 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.347,56
    +534,93 (+1,86%)
     
  • NASDAQ

    13.520,50
    +29,50 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4268
    -0,0001 (-0,00%)
     

Presidente eleito do Equador considera urgente vacinação contra covid

·2 minuto de leitura
Guillermo Lasso discursa no Centro de Convenções de Guayaquil em 07 de fevereiro de 2021

O processo de vacinação contra a covid-19 é a questão mais urgente a ser abordada no Equador, que enfrenta uma nova onda da doença, disse o presidente eleito, Guillermo Lasso, nesta segunda-feira (19).

"Conversamos com o presidente (Lenín Moreno) principalmente sobre a questão da vacinação. Acredito que seja, na conjuntura atual, a questão mais importante e urgente para o povo equatoriano", indicou Lasso após seu primeiro encontro com o presidente cessante.

Lasso, que foi eleito no segundo turno em 11 de abril, e assumirá as rédeas do país em 24 de maio, reuniu-se com Moreno no Palácio de Carondelet, em Quito, para iniciar a transição de governo. O vice-presidente Alfredo Borrero também compareceu.

"O processo de vacinação se tornou o principal programa econômico do futuro governo", declarou Lasso, um ex-banqueiro de direita, que, durante a campanha, propôs imunizar 9 milhões de equatorianos nos primeiros 100 dias de sua gestão.

O Equador, com 17,5 milhões de habitantes, vacinou 167.933 pessoas com as duas doses necessárias, enquanto outras 377.199 receberam a primeira, segundo dados oficiais referentes ao último sábado.

"Precisamos que os equatorianos saiam de suas casas, recuperem a normalidade, vivam com tranquilidade, trabalhem, possam empreender e também possam ir à noite a locais de entretenimento e diversão, e, assim, reativar a economia", acrescentou Lasso, 65 anos.

Autoridades do Equador alertaram que a nação enfrenta uma situação "muito crítica" devido ao aumento das infecções por covid-19. O país registra 360.563 casos e 17.703 óbitos, entre confirmados e prováveis. Quito é a cidade mais afetada, com mais de 116 mil infectados.

Circulam no país as variantes brasileira, britânica e de Nova York, segundo o Instituto de Microbiologia da Universidade de San Francisco, responsável pelas análises. Entre janeiro de 2020 e março de 2021, houve cerca de 53 mil mortes em geral, de todas as causas, a mais do que no mesmo período anterior, de acordo com o Registro Civil.

Para conter a propagação do vírus, as autoridades impuseram uma restrição à circulação de veículos nas estradas, sob a supervisão do Ministério dos Transportes, durante a noite nos fins de semana, que será estendida até 2 de maio. Além disso, o país mantém o fechamento de suas fronteiras terrestres e marítimas e a suspensão das aulas presenciais.

pld/yow/ic/lb